Visit Us On TwitterVisit Us On FacebookVisit Us On Linkedin

Boas oportunidades no mercado de produtos antiacne

  • Written by:
As condições climáticas e a preocupação das pessoas com a imagem nas redes sociais são alguns dos fatores que fazem do Brasil um dos mercados mais promissores para os produtos antiacne

Por Estela Mendonça

As vendas dos produtos de skin care para tratamento da acne atingiram, no Brasil, R$ 375,5 milhões em 2016, segundo a Euromonitor. A expectativa é que cheguem a R$ 412,3 milhões em 2021. Enquanto o crescimento em valor foi de 22% entre 2011 e 2016, em unidades a elevação foi de 100%, o que demonstra que as maiores apostas aconteceram no mercado de massa e na redução de preços.

O Brasil ocupa a sétima posição no ranking mundial desses produtos e a Johnson & Johnson lidera o mercado.
PRODUTOS PARA ACNE 2016 – RANKING MUNDIAL
Produtos para acne 2016
Produtos para acne 2016 – Top 5 players mundiais
PRODUTOS PARA ACNE 2016

Mercado potencial

Características tipicamente locais contribuem para que a pele dos brasileiros apresente maior tendência à oleosidade: elevadas temperaturas, maior exposição ao sol e alta umidade em algumas regiões do país, geram um aumento no tamanho das glândulas sebáceas, que, consequentemente, produzem mais sebo, levando a um aumento da oleosidade da pele e criando as condições ideais para o desenvolvimento da acne.

Outro fator é que, com a maioria das pessoas vivendo nas zonas urbanas, onde os níveis de poluição são mais elevados, as micropartículas do ar obstruem os poros, o que faz aumentar a oleosidade e a incidência de cravos e espinhas, piorando, inclusive, o quadro de quem já tem tendência à acne.

Os consumidores também estão mais dispostos a adquirir produtos que melhorem as condições da pele por influência das redes sociais. Como elas são predominantemente baseadas em imagem, isso leva as pessoas a ter um olhar mais crítico sobre si mesmas. É o que os analistas de mercado chamam de tendência Selfie, que é a busca da imagem perfeita para parecer bem nas fotos. Com isso, ganham destaque não somente os itens de maquiagem como também os produtos que oferecem benefícios de reduzirem a oleosidade e acne da pele.

Cuidado em etapas

Sonia Corazza, engenheira química especializada em cosmetologia e perfumista

Um aspecto bastante positivo nesse segmento é que as linhas para peles com tendência à oleosidade e acne foram sendo ampliadas para atender uma rotina diária. “Hoje, o controle da oleosidade é visto como uma plataforma a ser trabalhada por diferentes estratégias de ação, em etapas subsequentes”, diz a engenheira química especializada em cosmetologia e perfumista, Sonia Corazza.

“Falando do ritual de cuidados, em minha opinião, o primeiro passo para tratar a pele oleosa é limpar com suavidade e inteligência, evitando o super desengorduramento, que pode causar um efeito rebote. É fundamental escolher agentes tensoativos suaves, como a associação de Sodium Cocoyl Glutamate e Disodium Cocoyl Glutamate”, explica.

A engenheira sugere que na sequência da rotina sejam usadas emulsões tipo séruns, com funções diferenciadas. “Uma delas é a ação detoxificante, doada por ativos diversos, como, por exemplo, os oligosacarídeos obtidos biotecnologicamente por ação enzimática a partir das algas marrons, que purificam a pele e a preparam para um cuidado mais profundo”.

Ela aponta também a necessidade de produtos com ação sebo reguladora, com ativos que conseguem controlar e equilibrar a produção de gordura na glândula sebácea. “Assim age o ácido salicílico vetorado em silício orgânico, para conseguir permear a pele e chegar até o centro de produção de gordura”.

“Ativos com ação antioxidante são outra necessidade, tanto a fim de evitar a rancificação da gordura produzida quanto por sua ação antiinflamatória, como é o caso do Disodium Lauriminodipropionate Tocopheryl Phosphate, uma evolução da vitamina E”, diz.

Finalizando, Sônia inclui a ação refrescante/calmante e a proteção solar: “Ela é doada por ativos extraídos de algas marinhas, como é o caso das frações ativas da alga Crithmum maritimum. A proteção solar deve ser realizada com micro emulsões ultra leves, combinado com fito fotoprotetores multifuncionais, como os derivados de café verde”.

Hidratação é arma

Elizete Garcia: hidratação é o pulo do gato no tratamento da acne

Para Elizete Garcia, coordenadora técnica da Extratos da Terra, os tratamentos cosméticos e a hidratação são essenciais. “As pesquisas atuais mostram que a hidratação da pele é o grande pulo do gato para o tratamento da acne. Geralmente a acne tem como primeiro sinal o aumento da oleosidade da pele e a hidratação auxilia a emulsão do sebo contido na pele, deixando-a menos oleosa e diminuindo a ação da acne”.

A Extratos da Terra oferece a linha Aquaface Antiacne para um tratamento intensivo à pele acneica ou com excesso de oleosidade. Composto por sabonete líquido, loção tônica e sérum secativo, os produtos estimulam a renovação celular e aceleram o processo de cicatrização da pele. “Os produtos foram desenvolvidos por meio da ação bactericida e antisséptica do ácido salicílico e de extratos vegetais seborreguladores e garantem 93% de melhora nas espinhas e 77% nos cravos brancos em apenas 21 dias, segundo teste de eficácia”, ressalta.

Linha Aquaface Antiacne, da Extratos da Terra

Novas armas

Entres as novidades para o tratamento da acne, a Neutrogena, marca da Johnson & Johnson, que lidera mundialmente esse mercado, lançou no Reino Unido a Neutrogena New Light Teherapy Mask, um equipamento que emite uma combinação de luz vermelha (para reduzir a inflamação) e luz azul (para reduzir as bactérias na superfície da pele). “Em vez de ir ao seu dermatologista uma vez por mês para a terapia de luz, este dispositivo foi projetado para ser usado todos os dias”, disse Rebecca Bennett, especialista em skin care da companhia. Segundo ela, 98% das pessoas que utilizaram a máscara perceberam redução da acne após 12 semanas de uso.

Uma pesquisa realizada pela marca sustentou a decisão de lançar o produto. A Neutrogena entrevistou 4 mil mulheres com idades entre 16 e 30 anos, sendo que 52% disseram que se sentiam feias por causa de sua acne, enquanto 35% revelaram que evitam remover a maquiagem na frente do seu parceiro.

Neutrogena New Light Teherapy Mask

Inovação em matérias-primas

Entre as mais recentes inovações para o controle da oleosidade da pele e da acne, a Merck lançou o Ronacare SereneShield, uma solução cosmética com um exclusivo sistema 3R, que regula a produção de sebo, reduz a inflamação da pele e restaura a microflora cutânea, garantindo que os principais fatores causadores da acne estejam sob controle, mantendo a pele limpa e homogênea.

Leonardo Cerqueira Lima, especialista de Desenvolvimento de Marketing para Pigmentos e Ingredientes Funcionais da Merck

O conceito e a eficácia comprovada por vários estudos e testes, tanto in vitro como in vivo, do Ronacare SereneShield, convenceu um exigente júri, que concedeu ao novo ativo cosmético desenvolvido pela companhia alemã o prêmio “Innovation Prize Cosmetics 2016”, na categoria “matéria-prima mais inovadora”. “O ativo já está no mercado mundial há mais de dois anos e compõe a formulação de produtos de alto desempenho nesse tipo de tratamento”, informa Leonardo Cerqueira Lima, especialista de Desenvolvimento de Marketing para Pigmentos e Ingredientes Funcionais da Merck.

O desenvolvimento do Ronacare SereneShield focou as condições e as consequências da pele oleosa, sendo a acne a principal delas, e considerou  que a pele é coberta de bactérias com função de  defesa contra micro-organismos invasores.  Entre elas, a Propionibacterium acnes vive na pele de forma inofensiva mas, se presa em ambientes sem ar, próxima às células de cabelo e pele, transformam o sebo do local em ácidos graxos, que ativam a inflamação das células da pele.

Em condições normais, essa inflamação é bloqueada por enzimas chamadas histonas. No entanto, os ácidos graxos produzidos pelas bactérias impedem essa quebra, de modo que a inflamação continua. “O desafio foi encontrar uma forma de inibir os ácidos graxos e bloquear seu impacto sobre a pele”, conta Lima.

O processo natural de regulação do sebo se dá quando a testosterona é convertida em Dihidrotestosterona (DHT) pela isoenzima 5-α-redutase tipo I. A DHT estimula as glândulas sebáceas a produzir e secretar sebo. Entretanto, muitas vezes, esse processo se torna irregular, por conta de alterações hormonais e outras causas, levando à produção excessiva de sebo. O RonaCare SereneShield é capaz de reduzir a ação da 5-α-redutase, ajudando, assim, a regular a secreção de sebo.

O RonaCare SereneShield também se propõe a reequilibrar a microflora da pele, reduzindo a população de bactérias não benéficas, como a Staphylococcus aureus e a Propionibacterium acnes, sem afetar a população de bactérias benéficas, como a Staphylococcus epidermidis, por exemplo.  “Essa função ajuda a manter a saúde geral da pele e previne o desenvolvimento da acne e outras doenças, já que o crescimento de microflora benéfica torna a pele menos hospitaleira para bactérias não benéficas”, explica o especialista da Merck.  Esse benefício, portanto, dá também ao ativo uma função atribuída aos probióticos, uma vez que preserva as bactérias ‘amigas’ da pele.

Quanto à ação de redução da inflamação, ela se dá pela interrupção do trabalho da microflora não-benéfica. Dessa forma, RonaCare SereneShield ajuda a evitar o desenvolvimento de metabólitos inflamatórios (porfirinas) causados ​​pela Propionibacterium acnes.

Ação sobre as bactérias

Lima destaca que o RonaCare SereneShield pode ser incorporado em qualquer tipo de produto cosmético facial, desde produtos para limpeza facial, wipes, gel, sabonete líquido e até produtos de tratamento facial, inclusive produtos de massa. “Isso é possível porque ele apresenta resultados muito interessantes com baixa concentração de ativo, de 0,5% a 1%”, garante.  O ativo também está disponível para formulações manipuladas.

O que é a acne?

Ministério da Saúde aponta acne como um dos principais problemas dos adolescentes

A Acne é apontada como um dos principais problemas clínicos dos adolescentes e jovens brasileiros na publicação “Proteger e Cuidar da Saúde de Adolescentes na Atenção Básica”, lançada este ano pela Coordenação-Geral da Saúde de Adolescentes e Jovens do Ministério da Saúde para auxiliar as equipes de Atenção Básica/Saúde da Família no trabalho com esse público, propondo como grandes eixos: cuidado da saúde, hábitos saudáveis e a atenção aos principais aspectos clínicos.

“A acne é uma doença inflamatória crônica da unidade pilossebácea, multifatorial, com grande polimorfismo lesional, caracterizada por comedões, pápulas, pústulas, menos frequentemente nódulos, abscessos e cicatrizes”, define a publicação, que informa que 90% das pessoas acometidas são adolescentes, sendo que pico da incidência e severidade ocorre entre 14 e 17 anos na mulher e 16 e 19 anos no homem. Segundo o documento, a remissão espontânea da acne ocorre em torno dos 20 anos, mas a doença pode persistir na idade adulta.

De acordo com o Ministério da Saúde, os fatores principais envolvidos são: aumento da produção sebácea, queratinização folicular anormal e proliferação bacteriana e inflamação. O quadro clínico da acne é polimorfo, caracterizado por comedões fechados (cravos brancos) e abertos (cravos pretos), pápulas, pústulas, nódulos e abscessos. As localizações mais frequentes são as áreas seborreicas da pele: face e região anterior e posterior do tronco.


Classificação da acne

A acne vulgar pode ser classificada de acordo com o tipo e o número de lesões em:

  • Acne não inflamatória (grau I) – Acne comedoniana
  • Acne inflamatória (grau II) – Acne pápulo-pustulosa
  • Acne nódulo-cística (grau III)
  • Acne conglobata (grau IV) – é uma forma grave de acne, caracterizada pela presença de comedões, pápulas, pústulas, nódulos, abscessos e fístulas que podem evoluir para cicatrizes queloidianas.
  • Acne fulminante (grau V) – é uma forma rara, na qual pacientes de acne grau III ou IV apresentam manifestações sistêmicas com febre, poliartralgia, piora clínica das lesões e leucocitose. Essa classificação é importante para a evolução e conduta terapêutica.

Fonte: Ministério da Saúde


Agradecemos a leitura, compartilhe!

Home

Categorias

Nossos Portais

Nossos canais

Parceiros