Visit Us On TwitterVisit Us On FacebookVisit Us On LinkedinVisit Us On Instagram
Cosmetic InnovationEmbalagem & Design Tecnologia Verde & SustentabilidadeBoomera vira referência ao reaproveitar plásticos unindo catadores, indústria e academia

Boomera vira referência ao reaproveitar plásticos unindo catadores, indústria e academia

  • Written by:

O paulistano Henrique Guilherme Brammer Júnior, 42, sempre gostou de desmontar coisas para saber como são feitas e funcionam.

E essa curiosidade moldou suas escolhas e define hoje seu trabalho como engenheiro de materiais e empreendedor social à frente da Boomera. “Eu sou lixeiro”, diz o pai de Carolina, 7, e João Pedro, 3.

No país que só recicla 4% de todos os dejetos que produz, Brammer Jr. se embrenhou pela rota mais desafiadora no seu negócio de impacto social: lidar com resíduos de difícil reciclagem (plásticos com dupla ou tripla composição).
Sua vocação começou a ser desenhada aos 17 anos, quando “desmontou” uma coisa que o avô amava —um Voyage GTI vinho. Pegou o carro escondido, sem carteira de habilitação, e o destruiu num poste na zona sul de São Paulo.

O acidente lhe propiciou uma das grandes lições que mudaram sua vida. Em vez de bronca homérica, o jovem recebeu uma carta do avô naquele Natal de 1994. Nela, Edward de Mello disse ao neto que bens materiais são substituíveis e ações definem as pessoas. Por isso, ele deveria ter propósitos na vida.

O adolescente que andava meio perdido deixou de sair com os amigos e abandonou até o futebol —até jogou com Kaká, Belletti e Caio Ribeiro no clube Paineiras. “Meti na cabeça que tinha que ir para a faculdade para ser alguém”, relata, após choro emocionado ao se lembrar do avô.

Formou-se em engenharia de materiais e foi atuar, como o pai, em indústria de embalagens e grandes empresas que produziam plástico, aço e papel. “E me questionava se o que fazia era deixar resíduo como legado. Não queria ser conhecido por vender plástico.”

A inquietude o tornou o “chato do cafezinho”. Até que em 2007, quando, já casado com a engenheira de alimentos Fernanda Andrade, foi chacoalhado pela perda do sogro devido a um câncer. “Ele, fazendo quimioterapia, vinha ao escritório às duas da tarde e me chamava para beber cerveja e comer coxinha. Ele dizia que a vida precisava ser vivida intensamente.”

E a intensidade veio em vários lances na vida de Brammer Jr.. Ao ler o livro “Revolution in a Bottle”, entrou no LinkedIn e mandou mensagem para o autor, Tom Szaky. “Ele me pediu, então, que eu o encontrasse numa reunião que teria no Brasil.”

No meio do encontro, o americano disse que ele era o novo CEO da empresa. E ele aceitou presidir a TerraCycle, que atua com reciclagem. Ficou nela um ano. Saiu para montar o próprio negócio de impacto social. “Eu tinha visitado uma cooperativa de catadores , e aquilo foi um soco no estômago. Como pessoas, em ambientes tão insalubres, tinham tanta alegria e propósito em suas ações?”

O contato o fez se atirar de cabeça na causa. Ele já tinha ido a evento vestido com terno feito de embalagens de chocolate para mostrar que era reciclável. Mas teve contratempos, como perder a própria empresa, a Wise Waste, para o sócio. “Foi duro chegar para trabalhar, após o rompimento, e não ter nem computador.”

A paixão que o levou a recriar o negócio teve como marco o nascimento da filha Carolina, em 2012. “Ela me trouxe sorte e força para batalhar e começar tudo de novo.”

Dedicado à família (“Nunca tive babá e não perco uma reunião da escola”), entusiasta de AC/DC e de rock’n’roll (“Não perdi um show do Paul McCartney no Brasil”) e apaixonado por moto (“Não perco a chance de dar uma volta e nunca caí”), Brammer Jr. criou um mantra para a vida e para sua empresa. “Do início ao início”, repete ele, um dos pilares da economia circular.

E, para ir além da reciclagem de material, ele criou a CircularPack, metodologia baseada em seis passos, que propõe jornada completa às empresas desejosas de mergulhar no novo conceito. Na prática, a Boomera fez com que embalagens de Tang, por exemplo, virassem 15 mil instrumentos musicais, doados a cem escolas públicas em 2014.

Ao mesmo tempo em que conquistava clientes com ideias originais e benéficas ao ambiente e à sociedade, Brammer Jr. desbravou o Brasil das cooperativas de catadores, 200 delas hoje parceiras da Boomera em 13 estados.

Telines Basílio do Nascimento Jr., 54, o Carioca, que preside a Coopercaps, na zona sul de São Paulo, conta o impacto de ter conhecido Brammer Jr. “A gente, quando começou, tirava R$ 50 a cada três meses. Hoje, conseguimos pagar de R$ 1.400 a R$ 1.700 a cada cooperado por mês”, compara. “Vejo a Boomera se preocupar, primeiro, com as pessoas.”

São 8.000 catadores impactados com cursos de gestão, mentorias, reforma de refeitórios, banheiros novos e aparatos de segurança do trabalho.

O brilho nos olhos não é só de quem atua com Brammer Jr. “Eu o considero um visionário. Com a Boomera, todos os atores têm peso igual”, diz Gabriela Onofre. Quando era da P&G, a executiva deu o ok para a multinacional se tornar a cliente nº 1 da startup.

Além de ajudar as empresas a cumprirem a Política Nacional de Resíduos Sólidos, de 2010, que responsabiliza as fabricantes pelo destino correto do lixo gerado por seus produtos, colocando-as em conexão com os catadores, Brammer Jr. também une esses dois atores da cadeia à academia.

Tanto que a Boomera conta com um laboratório de pesquisas no Instituto Mauá. Ali surgiram inovações como reciclar fralda descartável usada —hoje recicla três toneladas vindas de creches de São Paulo, que passam por esterilização e viram cestos e cabides.

Mais do que “rei do lixo”, como é chamado, Brammer Jr. se considera um conector. “Consigo juntar as pessoas. Catadores, gestores e acadêmicos. É um ganha-ganha para todos.”

O nascimento do segundo filho, João Pedro, veio no ano em que ele comprou fábrica de embalagens em Cambé (PR), marco que permitiu crescimento agressivo do negócio. “Ele me deu coragem para enfrentar esse novo desafio.”

De 30 funcionários, a Boomera tem agora 150. O salto também veio no faturamento, que deve atingir R$ 100 milhões em 2020, com a abertura de nova fábrica, em Atibaia (SP).

Mas, para Henrique Guilherme Brammer Jr., que tatuou no corpo o símbolo da economia circular (e mais seis tatuagens) e deu nova vida a 60 mil toneladas de plástico, o mais importante é saber que os catadores têm uma vida melhor e que seus filhos se orgulham do seu trabalho. O avô e o sogro dele também se orgulhariam.

Em outubro Guilherme abriu o 2º Green Cosmetics promovido pelo portal Cosmetic Innovation e falou sobre Economia Circular na Prática.

 

 

Fonte. Folha de S Paulo 05.11.19

Agradecemos a leitura, compartilhe!

Home

Categorias

Nossos Portais

Nossos canais

Parceiros