Visit Us On TwitterVisit Us On FacebookVisit Us On LinkedinVisit Us On Instagram
Cosmetic InnovationFragrâncias RadarBrasil domina mercado de perfumes na América Latina

Brasil domina mercado de perfumes na América Latina

  • Written by:
Estudo da Euromonitor analisa hábitos e forma de consumo do mercado latino-americano onde as marcas populares imperam e as de luxo ainda engatinham

O mercado de perfumes na América Latina vem se mostrando resiliente em meio a crises econômicas, com um desempenho que supera outros produtos de beleza. Segundo estudo realizado pela Euromonitor, o mercado cresceu 5% entre 2010 e 2015 e o Brasil é quem lidera esse avanço. Com um “império” de marcas populares, o país responde por mais de US$ 6 bilhões de um total de US$ 10,7 bilhões na América Latina. Dos perfumes luxuosos aos mais ecônomicos, a categoria registra um crescimento que ultrapassa os grandes centros urbanos.

Como era de se esperar, diante da crise econômica, a busca pelo preço baixo impera. O mercado latino-americano de perfumes também é marcado pela falta de competição e de variedade. De acordo com a Euromonitor, este cenário se sustenta devido ao próprio modelo de comercialização: as vendas diretas são o canal mais forte – em alguns países respondem por mais da metade das vendas totais. “Os grandes distribuidores estão posicionados na categoria popular oferecendo assim pouca variedade de marcas ou produtos aos consumidores”, diz o estudo da Euromonitor. Considerando a América Latina, as marcas populares respondem por 83% das vendas – um número impulsionado sobretudo pelo gosto do consumidor brasileiro.

No Brasil, segundo a Euromonitor, o preço e o aroma são os fatores determinantes para conquistar os consumidores. Mesmo marcas conhecidas como a Natura, que vem investindo em maior qualidade, protagonizam uma preocupação em manter os precos acessíveis ao consumidor, diz a consultoria.

Força brasileira

O hábito de usar perfume de forma regular e várias vezes ao dia é forte no Brasil. A mulher brasileira, que representa a fatia maior no consumo de perfumes, tende a reaplicar o produto mais do que uma vez ao dia. O estudo apontou uma clara divisão: os brasileiros do Norte do país são os maiores consumidores dos perfumes, enquanto o interesse vai diminuindo para o sul do país.

Outra característica de mercado é que o segmento premium vem crescendo no Brasil, bem como no México e na Colômbia. O surgimento de novos canais de distribuição e venda propiciados pela internet, além da implantação de redes e lojas no varejo especializado, caso da Sephora e Beauty Box, abrem caminho para o apetite do consumidor. Aqui, a diferença é que o maior faturamento do setor não estaria ligado necessariamente ao aumento na demanda. “É mais uma consequência da desvalorização do real, que forçou fabricantes a aumentarem os preços no varejo, do que um apetite dos consumidores”, avalia a Euromonitor.

Grande parte do crescimento do mercado brasileiro deve-se à expansão do Boticário, que adotou uma estratégia de crescimento no número de lojas pelo país. A companhia disputa espaço com a Natura, que mantém a posição de liderança na América Latina por quase uma década, e que por sua vez também vem apostando nos últimos anos na abertura de lojas especializadas. Abaixo, confira quais são as marcas com maior número de vendas no Brasil:

Empresa com mais vendas em 2015

1          Boticário
2          Natura
3          Avon
4          Puig
5          Suissa Industria e Comercio
6          Grupo Silvio Santos
7          Coty
8          Lvmh Moet Hennessy Louis Vuitton
9          L\’Oreal
10       Procter & Gramble
11       IPEC Indústria de Perfumes
12       Fanape – Fábrica Nacional de Perfumes
13       Johnson & Johnson
14       Hypermarcas
15       Dana Classic Fragrances
16       Clarins
17       Perrigo
18       Casa Granado
19       Shiseido
20       Estee Lauder

Fonte: Euromonitor Abril/2017

Futuro

Não é exagero discutir o futuro do mercado de perfumes com foco na América Latina. A região, com faturamento de US$ 10,7 bilhões, tem um peso maior na indústria do que na América do Norte. Fica atrás apenas da Europa Ocidental.

Não fosse a turbulência econômica, a América Latina poderia ter crescido ainda mais nos últimos anos. “As compras que ocorrem na região são ditadas de forma geral pelas circunstâncias e momento do consumidor e não por uma escolha entre marcas, por exemplo”, avalia a Euromonitor.

Com o crescimento número de lojas especializadas na área de beleza, as vendas diretas perderão espaço nos próximos anos, principalmente no Brasil, México e Argentina. Segundo o estudo, a visão de mercado para o setor mudará substancialmente e passará a ser influenciada por especialistas de beleza (que vão ganhar maior evidência na mídia e redes sociais) e a chegada dos produtos a centros urbanos de menor porte. Esses fatores vão estimular a competição entre as empresas do segmento e levar ao surgimento de nichos e marcas específicas. E, de novo, quem vai ganhar espaço é o mercado premium: a projeção da Euromonitor indica um crescimento de 6% nas vendas entre 2015 e 2020. Entre as marcas populares, a previsão é de crescimento de 3% no mesmo período.

Fonte: Época Negócios

Agradecemos a leitura, compartilhe!

Home

Categorias

Nossos Portais

Nossos canais

Parceiros