Visit Us On TwitterVisit Us On FacebookVisit Us On LinkedinVisit Us On Instagram
Cosmetic InnovationDestaque Matérias EspeciasBusca por saúde e prevenção movimenta mercado de dermocosméticos

Busca por saúde e prevenção movimenta mercado de dermocosméticos

  • Written by:
Segmento já representa um quarto em valor do mercado brasileiro de skin care

Por Estela Mendonça

Globalmente, verifica-se o aumento da busca por produtos posicionados para a saúde, tendência que tem se expandindo para várias categorias de consumo, principalmente no mercado de cuidados com a pele que, segundo a Euromonitor International, é avaliado em US$ 128,7 bilhões mundialmente.

De acordo com a Pesquisa de Beleza da Euromonitor, os consumidores desejam características específicas em produtos de cuidados com a pele, o que vem colocando em curva ascendente o mercado de dermocosméticos. “Muitas marcas de dermocosméticos são posicionadas por condição ou problema de pele. Pelo menos 33% dos consumidores globais esses itens com base na adequação ou posicionamento para o tipo de pele”, diz analista Kayla Villena.

Segundo o estudo, as marcas de dermocosméticos se destacam por reunir base farmacêutica e os avanços tecnológicos no cuidado da pele, que atraem os consumidores não só pela funcionalidade e benefícios (28%), mas também os que procuram multibenefícios (21%), formulações com ingredientes específicos (18%) e formulações clínicas com benefícios terapêuticos (13%). “O desejo dos consumidores de melhorar a aparência da pele, ter uma pele saudável e abordar preocupações específicas estão direcionando as compras de produtos para uma direção que converge com o posicionamento geral dos dermocosméticos”, avalia Kayla.

Dermatologia e cosmetologia

Os dermocosméticos se diferenciam por combinar cosmetologia e dermatologia. Na origem, referem-se a produtos especializados de cuidados da pele prescritos em consulta com dermatologistas para melhorar a aparência da pele e tratar vários problemas. Formulados para aplicação tópica, eles são indicados para preservar a saúde e a beleza da pele, incluindo o couro cabeludo e o cabelo.

A Euromonitor aponta que, à medida que o foco passa a ser a prevenção na saúde geral da pele, novos claims começaram a ser explorados e, apesar de o combate ao envelhecimento continue no topo das preocupações dos consumidores, novas abordagens passaram a ser destacadas, como hiperpigmentação, rosácea, eczemas, hipersensibilidade e danos causados por radiações e pela poluição.

Nesse mercado, novas etapas vêm sendo adicionadas às rotinas de cuidados com a pele, buscando benefícios adicionais em limpeza e hidratação. Em resposta a essa demanda, as marcas expandiram as linhas faciais para incluir vários tipos de formulação de produtos, com soluções de limpeza, cremes diurnos, soros, nuvens e óleos especializados, que oferecem nutrientes adicionais em vários formatos. A Euromonitor também prevê que as oportunidades serão ampliadas por tecnologias acessíveis que permitam a identificação e mapeamento do microbioma da pele.

Oportunidades

No Brasil, as vendas de produtos de cuidados com a pele cresceram 23% entre 2012 e 2017, quando atingiram R$ 11,53 bilhões, segundo a Euromonitor, que prevê índice de alta semelhante nos próximos 5 anos (22,9%). Em 2022, a receita deverá chegar a R$ 14,17 bilhões. As perspectivas para os produtos para o rosto são ainda mais positivas. Enquanto o crescimento nas vendas foi de 13,1% no período de 2012 a 2017, alcançando R$ 4,56 bilhões, espera-se que o percentual de crescimento mais que dobre (26,4%) de 2017 a 2022, com vendas chegando a R$ 5,77 bilhões.

O canal farma, que respondeu por 27% das vendas de produtos de cuidados com a pele no Brasil em 2017, com a ascensão dos dermocosméticos e sua proximidade com universo dos medicamentos, só tem a se beneficiar nos próximos anos.   Em 2017, as vendas de não medicamentos nas 25 redes associadas à Abrafarma (Associação Brasileira de Redes de Farmácias e Drogarias) superou os R$ 14 bilhões e registrou um crescimento de 7%, bem acima da média do varejo nacional.

De junho de 2017 a maio deste ano, o aumento das vendas de dermocosmeticos no Brasil foi de 9,2%, chegando a R$ 2,9 bilhões, segundo dados divulgados pela empresa de pesquisas IQVIA. Confrontando-se os dados da Euromonitor com os da IQVIA, pode-se dizer que os dermocosméticos já representam cerca de um quarto do mercado brasileiro de skin care.

De olho nesse mercado, muitos players estão reforçando sua atuação no Brasil e expandindo suas linhas de produtos para acompanhar as mais recentes tendências. A Pierre Fabre Dermocosméticos, por exemplo,  inaugurou no mês passado Brazilian Innovation Center no Rio de Janeiro, que tem como missão desenvolver produtos específicos para a pele brasileira, além de mapear e atender as tendências desse mercado. Em 2017, a Pierre Fabre do Brasil teve faturamento superior R$ 300 milhões com aumento de 10% em relação ao ano anterior. Com as marcas Eau Thermale Avène, Darrow e Ducray, ocupa o terceiro lugar no mercado brasileiro de dermocosméticos, atrás apenas da L’Oréal e da Johnson & Johnson.

Inovação em peptídeos

Luis Julian, gerente técnico regional da DSM, ressalta que os dermocosméticos devem apresentar um maior nível de desempenho e compatibilidade com a pele, com predominância dos itens anti-idade. “Geralmente esses produtos contêm ativos biológicos com ação antirrugas ou antimanchas ou volumizante, que atuam na produção de colágeno, elastina, ácido hialurônico e outros alvos. Ou seja, os dermocosméticos muitas vezes contêm ingredientes ativos que tem uma ação biológica na pele”.

O executivo explica que, entre os diferentes ativos que podem ser usados em formulações de cosméticos anti-idade de alta performance, destacam-se os peptídeos,  sequências de aminoácidos que podem ser naturais ou sintéticos. “De acordo com o número de aminoácidos presentes em um peptídeo, eles podem ser classificados em dipeptídeo, tripeptídeo, tetrapeptídeo e assim por diante. Para aplicação cosmética são mais usados peptídeos não muito grandes, pois o tamanho pode influenciar a penetração do ativo. É mais comum o uso de tri e tetra peptídeos”.

A DSM tem em seu portfólio a linha de peptídeos sintéticos Syn-Peptides, desenvolvidos por meio do processo “Rational Design”, que consiste em várias etapas, que se iniciam com a identificação de possíveis mecanismos dos processos de envelhecimento na pele, que envolvem genes, enzimas e proteínas que, se inibidas, estimuladas ou mimetizadas, podem ter impacto na qualidade da pele.

O processo, segundo Julian, envolve, ainda,  análise computacional avançada da estrutura da enzima ou proteína para verificar qual o sítio ativo da molécula em que se deve atuar. A resposta do processamento de dados indica as possibilidades de sequências de aminoácidos, que são, então, sintetizadas pela equipe química e testadas pela de biólogos, primeiramente in vitro e, de acordo com os resultados, são submetidas a testes ex vivo e in vivo, já aplicadas em formulações cosméticas.

“Trata-se de um processo no qual desde o princípio já temos um alvo biológico específico dentro da pele e, ao final, obtemos um peptídeo sintético que atua apenas em seu alvo, o que garante um alto nível de especificidade e  excelente desempenho, mesmo em baixas concentrações, e segurança, pois a molécula não interage com outras estruturas dentro do organismo”, explica.

Julian cita como exemplo o Syn-Coll, um tripeptídeo foi desenvolvido pela DSM para ativar o Fator de Crescimento Beta (TGFβ), que desempenha um papel múltiplo na manutenção da integridade estrutural da pele. Na pele envelhecida ou fotoenvelhecida, a atividade de TGFβ é reduzida, provocando o processo de degeneração da matriz extracelular e formação de linhas e rugas. O TGFβ estimula a produção de colágeno, uma vez que é liberado do seu complexo inativo com Proteína Associada à Latência (LAP). Como um complexo inativo, o TGFβ é construído em primeiro lugar pelas células da pele. No entanto, ele se torna liberado do complexo por interação com a trombospondina-1 (TSP-1), uma proteína multifuncional.

“Utilizamos a via TGFβ como uma inspiração para desenvolver um peptídeo pequeno e potente que estimula a síntese de colágeno e ácido hialurônico. A estrutura do Syn-Coll se assemelha a parte mais ativa do TSP1 que resulta na liberação de TGFβ ativo”, explica.

Luis Julian, gerente técnico regional da DSM

Outros ativos da linha de peptídeos sintéticos que Julian destaca são o Syn-Hycan, que age aumentando a síntese de ácido hialurônico dentro da pele, tendo efeito reafirmante e volumizante, e o Syn-Ake, que é um inibidor pós-sináptico que inibe a recepção da acetilcolina pelo seu recepto no músculo, tendo um efeito similar ao botox, porém sem o uso de injeção.

Foco no clareamento

Uma forte tendência, especialmente no mercado asiático e que já aterrissou no mercado brasileiro de skin care são as novas tecnologias de clareamento. Christiane Neves, gerente de negócios da Brenntag, explica que o  sistema de pigmentação da pele humana está baseado em dois tipos celulares, melanócitos e queratinócitos, na qual interagem entre si formando uma unidade melanina-epidermial, onde o principal objetivo é o fator de determinação da pigmentação da pele.

A gerente explica que os melanócitos são células produtoras da melanina, substância responsável pela pigmentação da pele, olhos e cabelos, e exerce uma importante função de proteger a pele da radiação solar. Já as células queratinócitos são responsáveis pela produção da queratina, que formam uma barreira epidérmica com o estrato córneo, conferindo assim proteção mecânica e o impedimento da passagem de água e de substâncias solúveis com a camada lipídica. As diversas camadas de queratinócitos com a melanina fornecem uma defesa eficaz à pele contra aos efeitos nocivos principalmente dos raios solares UV.

“A cor da pele é determinada pela quantidade e o tipo de melanina presente no organismo. Entretanto, a alteração ou diminuição no nível deste pigmento pode ocasionar distúrbios na coloração natural. Os distúrbios na pigmentação da pele estão relacionadas a uma série de fatores, como exposição solar, fatores hormonais, influências genéticas e idade”.

Mimética da palma da mão

Nos últimos anos, surgiram várias moléculas tecnológicas para aplicação em produtos dermocosméticos, com o objetivo de reduzir os efeitos de manchas na pele.  Uma inovação tecnológica vem da empresa japonesa Inabata, em parceria com a Brenntag Brasil: O Inaclear.

Inaclear é um ativo clareador que tem a fisiologia mimética da palma da mão, com eficácia comprovada no tratamento de manchas na pele. “Já parou para pensar porque a palma das nossas mãos possui a coloração mais clara que o resto do nosso corpo? Esta foi à pergunta feita pelos pesquisadores do centro de inovação da Inabata. A resposta é que a região palmo plantar das mãos e dos pés possui pouco melanócitos, ou seja, não há ocorrência de uma produção excessiva de melanina. Partindo desse principio, chegou-se a conclusão, que o organismo educa os melanócitos a não sintetizar melanina naquela região, conta Christiane.

Estudo mostrou eficácia no clareamento com Inaclear

A tecnologia do Inaclear, segundo a executiva, consiste na mesma fisiologia que o organismo exerce na palmo plantar, ou seja, educa o melanócito a controlar a sintetização da melanina, evitando assim o surgimentos de novas manchas. “Inaclear também é capaz de modular o fibroblasto DKK-1 que, uma vez modulado, reconhece e liga-se aos receptores específicos presentes no melanócito, formando uma rede protetora que inibe a síntese da melanina”.

Christiane Neves, gerente de negócios da Brenntag

Christiane ressalta que os testes de eficácia realizados com Inaclear apresentaram 90% de feedbacks positivos em relação ao efeito clareador na redução de manchas e 86% na uniformidade da pele. Em estudos realizados com voluntários, Inaclear reduziu 7% das manchas em 28 dias, 12,8% em 56 dias, enquanto que o placebo reduziu apenas 4,8% das manchas escuras.

Alcaçuz da China

Outro ativo de origem asiática para clareamento da pele é a Glabridina 90, lançada no Brasil, no final do ano passado, pela Shanghai Oli e que já está disponível no portfólio da Symbios Especialidades Cosméticas, que representa com exclusividade a fabricante chinesa no país.  “Sendo a Ásia um dos maiores mercados mundiais de produtos para clareamento da pele, estamos trazendo todo esse conhecimento e produto de alta tecnologia para o Brasil”, informa Rogério Mario Arida, diretor comercial da Symbios.

Segundo Rogério, a Glabridina 90 é um poderoso e inovador agente clareador, derivado de uma espécie específica de alcaçuz, a Glycyrrhiza glabra. “Na medicina chinesa a aplicação da planta alcaçuz tem uma longa história, mas apenas esta versão demonstrou um poderoso efeito clareador. Pesquisas científicas sugerem que somente a raiz da Glycyrrhiza glabra contém um ativo único e raro derivado flavonóico chamado Glabridina”, explica, destacando que a Shanghai Oli possui grande área de plantação da Glycyrriha glaba, com processo avançado de cultivo e tecnologia para garantir a mais alta pureza do produto do mercado.

Como agente clareador da pele, a Glabridina possui efeito inibitório sobre a atividade da tirosinase, podendo ainda inibir a atividade da proteína relacionada à Tirosinase (TRP-2), também chamada de dopacromo tautomerase.  Possui ainda ação antioxidante semelhante à SOD (Superoxide Dismutase) para eliminar os radicais livres de oxigênio.

Glabridina 90 tem efeito clareador e reduz vermelhidão

Rogério destaca que a Glabridina 90 traz vários benefícios ao consumidor final. Além de possuir uma função de clareamento rápido, altamente eficaz e seguro, com boa adaptabilidade na pele, também reduz a vermelhidão na pele e apresenta atividades biológicas como ação antioxidante.

Rogério Mario Arida, diretor comercial da Symbios

O executivo da Symbios destaca que testes de eficácia na tirosinase, TRP-2 e no α-MSH (hormônio estimulante de melanócitos) mostraram resultados altamente positivos. “Estudos clínicos demonstram que, após 14 dias, a pele se torna mais brilhante e a vermelhidão é reduzida efetivamente. Após 28 dias, o efeito clareador é superior a 40% e a redução da vermelhidão é maior que 70%”.

A Glabridina é de fácil manuseio e incorporação na formulação em baixas concentrações de uso para obtenção de resultados significativos. Apresenta-se na forma de pó esbranquiçado, padronizado no teor acima de 90% (Glabridina 90) e marrom claro acima de 40% (Glabridina 40) ou, ainda, em solução aquosa (Aqua Glabridin). Outro ponto alto do ativo é que ele possui resistência à oxidação similar à Vitamina E.

“Seu efeito inibitório sobre a atividade da tirosinase é superior aos ativos comumente utilizados. Pode ser utilizado como único ativo na formulação ou associado ao Arbutin, Alpha-Arbutin, Ácido Kójico, Butil Resocinol, Ascorbyl Glucosideo, hidroquinona e outros”, explica.

Natureza provedora

“Mundialmente, 24% dos consumidores percebem a saúde como um investimento, sendo que 52% destes incluem o tratamento de pele como uma questão de saúde. O aconselhamento dermatológico é procurado por 35% destes consumidores”, enfatiza Silvana Kitadai Nakayama, gerente de tecnologia e aplicação em cosméticos para a América Latina da Merck,  acrescentando que cada vez mais os consumidores preferem produtos que apoiam uma abordagem sustentável, com conceitos extraídos da natureza e transferidos para cosméticos.

Silvana Nakayama, gerente de Tecnologia e Aplicação em Cosméticos para a América Latina da Merck

“A Merck possui em seu portfólio ingredientes naturais com alta performance que atendem as demandas dos novos consumidores e que, devido à sua multifuncionalidade são capazes de substituir um ou mais ingredientes na formulação, criando fórmulas minimalistas com um alto grau de eficácia”, diz a especialista, destacando      RonaCare® Ectoin, ativo biomimético a uma bactéria do deserto, que possui uma eficácia super hidratante, reforça a proteção do sistema imunológico e da membrana celular e atua como UV complementar. Testes in vitro demonstraram que o ativo previne a oxidação de proteica e fornece proteção acelerada às células da pele contra fatores externos de estresse como, por exemplo, a temperatura.

Já o RonaCare® Renoumer, extraído da alga vermelha da Costa Britânica, melhora a hidratação e elasticidade, impactando diretamente sobre o colágeno e a redensidade da pele. Testes com voluntários demonstraram redução significativa de pés de galinha após 56 dias de tratamento.  “A hidratação foi melhorada em duas vezes comparada ao placebo”, acrescenta Silvana.

O destaque multifuncional da Merck é o RonaCare® Emblica, ativo antioxidante extraído do fruto indiano da Amla, que fornece eficácia de longo prazo contra o estresse oxidativo e a poluição, além de possuir ação clareadora e despigmentante. No que se refere às suas propriedades antioxidantes, comprovadas in vitro, RonaCare Emblica demostrou ser tão ativo quanto a vitamina C ou a vitamina E. Os testes também demonstraram que a atividade antioxidante é mantida em grau pleno por 12 meses.

Já os estudos clínicos realizados com 19 voluntários comprovaram o clareamento significativo de sardas em 8 semanas de tratamento com o RonaCare® Emblica. “Também foi comprovada uma redução significativa da pigmentação da pele, tanto no tratamento preventivo como no curativo do escurecimento”.

Outro ativo citado pela gerente é o RonaCare® Poppy SE, extraído da semente da papoula. Ele é eficaz no tratamento corporal e facial para melhorar a firmeza, a elasticidade e a densidade da pele, além de promover luminosidade visível. Na região dos olhos, mostrou-se eficaz para a redução de bolsas e clareamento de olheiras. Em áreas afetadas pela celulite, reduziu os sulcos, resultando uma pele visivelmente mais lisa.

Estruturas diferenciadas

Um importante aspecto que deve ser levado em conta na formulação de cosméticos são os polímeros, que atuam como aditivos para fornecer ao produto a textura e o aspecto que se deseja.

Considerando as peculiaridades das formulações dermocosméticas, Daniela Valverde, gerente técnica e de marketing para a América Latina da Seppic, destaca o Sepineo Derm, um polímero de grau farmacêutico, específico para esse tipo de formulação, que atua como doador de viscosidade, estabilizador e formador de géis e emulsões poliméricas.

“O Sepineo Derm é compatível com todos os tipos de formulações e com os principais ativos para produtos dermocosmeticos”, destaca Daniela, lembrando que ele se apresenta como uma alternativa aos polímeros doadores de viscosidade que precisam de neutralização, que não são resistentes a alto cisalhamento ou aquecimento e a extremos de pH.

Para os formuladores, segundo a executiva, o Spineo Deo representa algumas vantagens, como a possibilidade de formular a frio, estabilizar grandes quantidades de óleo sem necessidade de um emulsionante tradicional a quente e obter produtos com sensorial elegante e aveludado, além de ser facilmente dispersível, pronto para uso e sem necessidade de neutralizar.

Ativos nanotecnológicos

Cada vez mais aplicados às formulações cosméticas, os nano ativos ganham destaque ainda maior no universo dos dermocosméticos. “A Nanotecnologia é indicada para dermocosméticos devido às suas propriedades físico químicas, pois possuem capacidade de transportar moléculas hidrofílicas em seu interior e hidrofóbicas em sua membrana lipídica, além de terem melhor permeação e performance na pele”, explica Fabricia Souza, coordenadora de Marketing e Especialidades da Bandandeirante Brazmo.

Fabricia Souza, coordenadora de Marketing e Especialidades da Bandandeirante Brazmo

A executiva conta que a Bandeirante Brazmo possui uma ampla linha de ativos lipossomados – os lipossomos são um tipo de sistema nanoestruturado – para dermocosméticos.  “Eles interagem com as células mediante  mecanismos de fusão, endocitose, adsorção e transferência de lipídeos membrana-lipossoma”, descreve.   Fabricia acrescenta que, em cosméticos, a veiculação de ativos por meio de lipssomas potencializa, melhora e facilita sua a permeação através do extrato córneo.

A empresa, que distribui os ativos da argentina Nanovec, destaca o ativo Lyce, extraído de células vivas de levedura, estimula a produção de colágeno e elastina, além de ser refrescante e tonificante para a pele. “Em formulações cosméticas, Lyce produz em curto e longo prazo resultados perceptíveis e diferenciados. Sua efetividade em soluções em pós-sol é particularmente interessante, permitindo uma formulação com ação anti-inflamatória e reidratante da pele desidratada e danificada”, garante Fabricia, ressaltando suas propriedades:  ativa o metabolismo celular e a síntese de colágeno, elimina rugas finas, acelera os processos de cicatrização  e é descongestivo. “Também temos a linha Ecolip de lipossomas  com certificação Ecocert Cosmos,  sendo possível manter em alto nível as formulações com ativos 100% naturais”.

Recentemente, a Bandeirante Brazmo passou a representar também a empresa paulista Ética, que oferece o Silver Clean 800 (nanoprata), eficaz contra 650 microorganismos, dentre eles Escherichia coli, Bacillus subtilis, Vibria cholera, Pseudomonas aeruginosa, Syphillis typhus, S. aureu e Propionibacterium acnes (causadora da acne).

O ativo, segundo Fabricia, pode ser eficazmente utilizado em produtos antiacne. “Diversos estudos já comprovaram que a nanoprata é realmente muito eficaz e segura na utilização em produtos cosméticos. Os Estados Unidos e a Austrália já a adotaram também em suplementos alimentares, como uma forma natural de se obter um aumento da imunidade”, afirma. O Silver Clean 800 é uma solução aquosa, produzida com matérias-primas comestíveis, sendo, por isso, segura para aplicação  em cosméticos.

Agradecemos a leitura, compartilhe!

Home

Categorias

Nossos Portais

Nossos canais

Parceiros