Visit Us On TwitterVisit Us On FacebookVisit Us On LinkedinVisit Us On Instagram
Cosmetic InnovationColunistasCélulas-tronco vegetais em cosméticos: novidades e tendências

Células-tronco vegetais em cosméticos: novidades e tendências

  • Written by:
Como as células-tronco vegetais podem se tornar ativos poderosos contra o envelhecimento e regeneração da pele

Uma nova onda de ingredientes cosméticos contendo células-tronco vegetais e seus extratos têm ganhado força na indústria. Qual o papel desses ingredientes no envelhecimento da pele? Várias práticas ancestrais, como a Ayurveda e a medicina chinesa, têm utilizado plantas como a principal forma de tratamento por milhares de anos. células-tronco vegetais poderiam ter um papel interessante se pudéssemos aliar esses benefícios nos cosméticos para criar cosméticos tópicos seguros, eficientes e orgânicos para os cuidados da pele.

A regeneração das plantas a nível celular e tecidual é um processo único. Similar à dos animais, as células-tronco das plantas têm propriedades que ajudam a estimular e a regenerar as plantas após algum dano. As propriedades únicas das células-tronco vegetais têm sido uma área de interesse e focada tanto no desenvolvimento de novos cosméticos quanto no estudo de como esses extratos/fitormônios vão influenciar a pele animal.

As plantas são equipadas com um mecanismo robusto para a regeneração de seus tecidos sob algum tipo de estresse. Existem muitos esforços para entender esse mecanismos no campo emergente da biotecnologia botânica. Nos animais, a regeneração de tecidos ocorre a partir de um estímulo causado por uma ferida, resultando no início da reparação de algum órgão. Em contraste, as atividades regenerativas das plantas não são apenas usadas para a reparação de danos em algum tecido, mas também para o desenvolvimento de uma nova planta. Em outras palavras, cortar um ramo de uma árvore resulta no crescimento de um novo ramo. Podemos usar essa propriedade única das plantas para melhorar a regeneração de tecidos em animais? “Coma uma maçã por dia… Mas isso pode evitar o envelhecimento?” essa é a questão. Venha comigo, nesse artigo vamos aprender mais sobre:

  • A formação dos calos vegetais
  • Cultivo de células-tronco vegetais para o melhor aproveitamento cosmético
  • Um pouco sobre os estudos já realizados sobre as células-tronco vegetais como ingredientes cosméticos
  • Extratos de células-tronco vs. células-tronco vivas

A formação dos calos vegetais

O fenômeno da criação dos calos derivados de células diferenciadas de plantas adultas foi descrita pela primeira vez em 1902 pelo botânico australiano Gottlieb Haberlandt. Ele sugeriu que uma célula vegetal individual é capaz de regenerar uma planta inteira. Isso foi demonstrado em 1958, quando uma cenoura foi clonada usando células de cenouras cultivadas in vitro. Desde então, muitos artigos foram publicados sobre a regeneração de plantas a partir de células ou tecidos cultivados em laboratório.

O processo de formação dos calos é um estágio da embriogênese somática (que é a formação de um zigoto sem o processo de fertilização) e as células da planta são sujeitadas à diferenciação para novamente se tornarem células-tronco capazes de produzir novos tecidos ou mesmo um órgão completo. A proteína WUS é responsável pela transformação das células somáticas em células-tronco.

Cultivo de células-tronco vegetais para o melhor aproveitamento cosmético

Plantas de interesse cosmético têm usos limitados devido à lentidão do crescimento, colheita sazonal, variação da concentração dos ativos de planta para planta e colheita para colheita e a existência de metabólitos tóxicos. As técnicas de cultura de células vegetais têm mostrado superar esses problemas cruciais na produção dos produtos cosméticos, com o benefício de produzir uma maior concentração de ativos pela ação de fatores estimulantes, como radiação UV, ácido jasmônico ou substâncias tóxicas. Essa tecnologia envolve muitos métodos complexos, que abrangem o crescimento de células, tecidos ou órgãos vegetais, em um ambiente de nutrientes livres de micróbios.

Essa tecnologia abrange a síntese de substâncias biologicamente ativas que existem nas plantas, mas não são encontradas normalmente no ambiente natural ou são difíceis de obter por síntese química. Os extratos obtidos por essa tecnologia de cultivo de células-tronco vegetais são comumente usados tanto nos cosméticos de uso regular, quanto nos de uso profissional, tais como agentes clareadores, arbutina obtida da Catharanthus roseus (vinca-de-madagascar) e pigmentos tais como o safflower e o Saflorin obtidos da C. tincorius (açafrão-bastardo).

Os vários passos do processo de extração envolvem a seleção de materiais vegetais adequados e sua esterilização, a indução da formação dos calos e o subcultivo nos meios de cultura comercialmente disponíveis dos tecidos vegetais Murashige e Skoog. A seleção das linhas celulares apropriadas pode ser baseada nas produções mais altas de biomassa e tempo mais curto de duplicação.

As pesquisas sobre uso de células-tronco vegetais como produtos para pele ainda estão no início, mas algumas pesquisas dos últimos anos demonstraram que a tecnologia de cultura de células-tronco vegetais é um método muito eficiente para a extração das mesmas para o desenvolvimento de produtos cosméticos inovadores derivados de ativos vegetais.

Estudos sobre as células-tronco vegetais como ingredientes cosméticos

Estudos clínicos da Malus domestica, um extrato de lipossomos encapsulados de células-tronco cultivadas de maçãs utilizado como ingrediente cosmético têm mostrado um potencial significativo na redução de rugas na região dos pés-de-galinha da face. O estudo mostrou que as rugas se tornaram 8% mais rasas após duas semanas e 15% mais rasas após 4 semanas.

Outro grupo de pesquisa desenvolveu um processo de produção eficiente de células de amora-ártica (Rubus chamaemorus) em biorreatores de calos estabelecidos e culturas de suspensão dessa planta usando os meios de cultura Murashige e Skoog fortificados com os fitormônios kinetina e ácido acético α-naftaleno. A produção dos materiais celulares da amora-ártica poderiam ser utilizadas como matéria-prima na indústria cosmética. Esse processo poderia ser explorado para células novas ou para frações celulares, estratos e componentes isolados que possuem potenciais bioativos, materiais celulares liofilizados, ou serem base para uma produção sustentável para outras espécies de plantas.

Culturas de células-tronco de tomates da planta Lycopersicon esculentum demonstraram potencial significativo na produção da pele contra a toxicidade de metais pesados. Um ativo cosmético hidrossolúvel foi produzido de culturas líquidas da L. esculentum com concentrações muito maiores de alguns flavonóides e ácidos fenólicos como rutina, ácido p-cumárico, ácido protocatecuico e ácidos clorogênicos. Esse extrato de células-tronco de tomate continha um alto conteúdo de antioxidantes e queladores de metal contendo fitoquelatinas, que capturam os metais e previnem o dano das estruturas celulares, e sugere outras aplicações memoráveis nas formulações dos produtos para os cuidados da pele.

O gengibre refinado consiste em um ativo de células vegetais proveniente da planta medicinal gengibre asiático, usando uma biotecnologia específica, misturando células vegetais em desdiferenciação e uma cultura de células vegetais controlando a síntese de moléculas ativa dentro das células. Um estudo clínico realizado em 22 mulheres, indicou uma melhora de cerca de 50% na estrutura da pele pela redução de poros e um efeito matizador causou a redução do brilho em cerca de 15% após 6h e a redução da oleosidade em 19% após 28 dias. Resultados dos testes in vitro demonstraram uma melhora na síntese de elastina e fibras e reduziu a produção de sebo.

A tecnologia patenteada de células-tronco XtemCell’s usa ativos de células vegetais de plantas raras, 100% orgânicas e ricas em nutrientes para criar novas células com alta pureza e com mais nutrientes quando comparadas àquelas que usam as técnicas tradicionais, as quais necessitam de aditivos químicos para sua extração. Essa tecnologia patenteada garante altas quantidades de lipídeos, proteínas, aminoácidos e fitoalexinas. De acordo com a companhia, os testes clínicos comprovaram que os ativos celulares utilizados nos produtos XtemCell’s são facilmente absorvidos nas células mais distantes da epiderme, causando quase instantaneamente a renovação das células da pele, a absorção de nutrientes e aumentando níveis de proteínas filagrinas para proteger a pele de danos causados pelo envelhecimento e pelo sol.

Extratos de células-tronco vs. células-tronco vivas

Quando o termo “extrato de células-tronco vegetais” é utilizado como um ingrediente, ele realmente se refere ao extrato de células-tronco vegetais. Apesar de muitas empresas se promoverem dizendo utilizar a tecnologia de células-tronco vegetais em seus produtos, mas pesquisas sobre esses produtos revelaram que, nos cosméticos, essas células já estão mortas, restando apenas os seus benefícios.

Apesar disso, para garantir que os efeitos prometidos pelos produtos que dizem usar as células-tronco sejam cumpridos, seria necessário que as células estivessem vivas nos produtos. Estima-se que em 20 anos seja possível utilizar uma tecnologia que aplique as células vivas nos produtos, mas por enquanto, qualquer produto que prometa que seus benefícios são aumentados devido ao uso do extrato de células-tronco vegetais é apenas tão bom quanto qualquer outro.

Apesar de as pesquisas relacionadas às células-tronco vegetais em cosméticos ainda estarem no começo, os resultados são animadores! Esses extratos celulares demonstram ajudar na pele humana em vários aspectos e, respondendo à pergunta do começo, “coma uma maçã por dia, isso pode ajudar a retardar o envelhecimento e talvez prevenir seus efeitos”!

Você gostou desse artigo?

Espero que sim, e que tenha aproveitado a leitura! Deixe abaixo sua opinião, crítica ou elogio, para podermos debater um pouco mais!

O objetivo desse artigo é contribuir para a elevação do nível técnico de profissionais da área. Para qualquer orientação procure sempre um profissional habilitado como um dermatologista ou farmacêutico.

Referências:

Trehan, Michniak-Kohn & Beri [Plant stem cells in cosmetics: current trends and future directions.] Future Sci. OA (2017) 3(4), FSO226. Disponível em: <https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC5674215/pdf/fsoa-03-226.pdf> Acesso em 04 de janeiro de 2018.

Agradecemos a leitura, compartilhe!

Home

Categorias

Nossos Portais

Nossos canais

Parceiros