Visit Us On TwitterVisit Us On FacebookVisit Us On LinkedinVisit Us On Instagram
Cosmetic InnovationRadarFoco em nichos é caminho para empreender com cosméticos

Foco em nichos é caminho para empreender com cosméticos

  • Written by:
Após dois anos de queda, setor cresce e tem oportunidades em produtos orgânicos e para homens

Após dois anos de queda, entre 2015 e 2016, o mercado de cosméticos e beleza voltou a crescer. No ano passado, a alta foi de 2,8% – acima do PIB. Nesse cenário, ideal para que marcas planejem o desenvolvimento de seus produtos, têm mais chances de se destacar pequenas e médias empresas que focarem na segmentação.

“Algumas tendências que observamos, hoje, são produtos para idosos e para beleza masculina. Existem poucas marcas preocupadas em trabalhar os cabelos grisalhos, por exemplo”, diz Romárcia Lira, consultora do Sebrae de Pernambuco.

Em parceria com a Abihpec (Associação Brasileira da Indústria de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos), o Sebrae fez um caderno de tendências do setor para os anos 2019 e 2020 que será publicado em setembro.

Rodrigo Lucena (à esq.) e Henrique Vieira, dois dos sócios da marca de cosméticos para surfistas Ponchos em seu escritório em SP – Alberto Rocha/Folhapress

“Escolher o público e criar opções de produtos especializados e serviços que atendam, inclusive, as dificuldades de locomoção dessas pessoas, pode ser uma boa opção.”

O segmento de produtos masculinos é um dos que tem crescido nos últimos anos, segundo a consultora.“ O Brasil, hoje, é o segundo maior consumidor de produtos para beleza masculina no mundo, então existe muito espaço para explorar nesse mercado”, diz.

Segundo ela, é preciso ter em mente que os homens buscam por produtos e serviços customizados para eles, como cremes e loções para barba que tenham aromas marcantes e uma identidade visual mais masculina.

O mercado de cosméticos e beleza é conhecido por ser um dos mais resilientes a crises. Em 2014, por exemplo, cresceu 7% enquanto a alta da economia brasileira foi de 0,1%. Em 2015 e 2016, porém, houve queda de 6,3% e 9,3% respectivamente.

A farmacêutica Cláudia de Araújo Carvalho, 50, na área de produção de sua empresa de cosméticos em São Paulo – Alberto Rocha/Folhapress

No ano passado, começou a recuperação, já sentida pelos empreendedores do setor, como a farmacêutica Cláudia Carvalho, dona da C&R Cosméticos. A empresa, com sede em São Paulo, é especializada em terceirizar a produção de cosméticos para pequenas marcas.

“Antes da crise, eu tinha 12 funcionários, mas tive que fazer cortes e cheguei a ficar com apenas seis pessoas na minha equipe. Nessa época, caiu bastante o número de pedidos, as taxas aumentaram e a flutuação do dólar atrapalhou muito, porque nesse setor a gente importa muita matéria-prima”, conta.

Pamela Waldino Linhares na sede da empresa Kah-Noa, que faz produtos para cabelos cacheados, em São José dos Campos – Alberto Rocha/Folhapress

“Mas as coisas estão melhorando. O ano começou aquecido e estamos com oito funcionários”, diz Cláudia. No ano passado, a C&R Cosméticos teve faturamento de R$ 1 milhão.

Encontrar um público dono de uma necessidade específica é o caminho indicado por ela, cuja empresa atende mais de 50 pequenos e médios empreendedores do setor, que buscam seus serviços para produzir seus cosméticos.

“Um dos meus maiores clientes, por exemplo, é uma marca que trabalha no nicho de tatuagens, com cremes para hidratar a pele e manter a beleza dos desenhos. Já outro cliente se especializou em cosméticos para pessoas com câncer. As possibilidades são muitas”, diz.

Outro segmento promissor é o dos cosméticos orgânicos, que, apesar de estar em alta, ainda é pouco explorado, segundo ela. Como esses produtos têm uma tiragem pequena é difícil para que grandes empresas invistam em grandes linhas de produção. “Com isso, o espaço para as pequenas e médias empresas fica mais aberto”, diz.

aria do Carmo Valério, 86, dona da Muene, empresa pioneira no país no setor de cosméticos para pele negra, em sua loja em São Paulo Alberto Rocha/Folhapress

É o caso da Zeena Cosméticos, marca que vende óleo de argan e argila rhassoul, produtos de beleza comuns no Marrocos, usados para cuidar da pele e dos cabelos.

Criada há dois anos por Youssef Harmali, a empresa nasceu para atender à crescente moda dos produtos orgânicos, identificada pelo empreendedor como tendência na Europa. “Na época, eu vi que havia poucas marcas no Brasil com a proposta de cosméticos orgânicos para o cabelo, então decidi importar o produto e criar uma marca brasileira”, diz Harmali.

A Zeena Cosméticos teve faturamento de R$ 100 mil em 2017. Segundo Harmali, o valor deveria ser maior, mas o desempenho da economia brasileira nos últimos anos atrapalhou os negócios.

“Para quem for começar nessa área, minha dica é investir em poucos produtos. Os gastos para desenvolver, patentear e divulgar cada produto é muito alto. Então, o ideal é ter um portfólio pequeno e trabalhar cada item muito bem”, diz.

Sabrina Sartori, dona da empresa Empório Sartori, que utiliza frutas plantadas em sua fazenda, em café na avenida Paulista, em São Paulo – Alberto Rocha/Folhapress

O empreendedor ressalta a importância de ter um bom estoque para evitar problemas com a variação cambial.

“Como nossa matéria-prima pode ser armazenada por vários meses, no ano passado, quando percebemos que havia uma tendência de subida no câmbio, fizemos planos para montar um estoque grande, com várias toneladas, que estão armazenadas e que ainda usamos na fabricação dos cosméticos”, diz Harmali.

“Assim, não sofremos com o dólar e nem com a burocracia da importação, que pode levar até três meses”, diz.

Fonte: Folhapress

Agradecemos a leitura, compartilhe!

Home

Categorias

Nossos Portais

Nossos canais

Parceiros