Visit Us On TwitterVisit Us On FacebookVisit Us On LinkedinVisit Us On Instagram
Cosmetic InnovationEmpresas & NegóciosInstituto Amend e Sonia Corazza realizam estudo sobre cabelo das nas diversas regiões do Brasil

Instituto Amend e Sonia Corazza realizam estudo sobre cabelo das nas diversas regiões do Brasil

  • Written by:
A Amend Cosméticos criou um instituto de pesquisa com o objetivo de estudar profundamente o cabelo da mulher brasileira. Atuam no instituto profissionais da área de P&D e de marketing da empresa e consultores externos, como a renomada Sonia Corazza, que possui 30 anos de experiência na área cosmética, Pesquisa & Desenvolvimento de novos produtos e mercado.

O Brasil é um país de clima diverso. Sua imensa extensão geográfica apresenta regiões com peculiaridades que afetam diferentemente o cabelo em cada cidade e estado. Praia e campo, cidades poluídas ou regiões de semiárido impactam de maneira diversa na qualidade e aparência final dos cabelos.

Curso Cosméticos Capilares

O verão de 2018 estará sob a influência do fenômeno meteorológico conhecido como La Niña, de intensidade fraca. La Niña é o resfriamento das águas do Oceano Pacífico e deve perdurar até março. Com isso, as chuvas vão ter um comportamento diferente dos anos anteriores, serão mais intensas no Sudeste e Centro-oeste e vão se igualar as que acontecem no Norte e Nordeste, que nesta época são mais intensas. Isso significa que será um verão bem chuvoso no Brasil inteiro, com exceção da região sul, afetando diretamente a qualidade do cabelo e o estilo do penteado.

Ambiente úmido significa cabelo arrepiado. Portanto, o verão de 2018 é tempo de controlar o frizz capilar com muito mais cuidado, já que todos os tipos e condições de cabelo serão muito afetados.

Como a umidade excessiva desqualifica e afeta a aparência do cabelo

O cabelo é formado por uma macro proteína denominada Queratina. Estas estruturas proteicas são conectadas através de 2 tipos de ligação química. A primeira é a partir das pontes de enxofre, também conhecidas como pontes dissulfeto, onde os átomos de enxofre se ligam formando uma ligação forte e não sofrem a interferência da umidade presente no ar. Mas, o segundo tipo de ligação entre as cadeias proteicas da queratina é formada por átomos de hidrogênio, que desfavorece a força entre as moléculas de queratina e são tremendamente afetadas pela quantidade de água sobre a superfície do fio de cabelo. Com a alta umidade presente em dias chuvosas, forma-se uma grande atração iônica entre as moléculas de água do ambiente externo e o hidrogênio presente na proteína do cabelo, causando dobras e levantamentos na superfície da cutícula, o que doa o aspecto ondulado e eriçado ao penteado.

Veja como o cabelo deve ser cuidado em cada macro-região brasileira:

Cabelos no Sudeste e o verão

Paulistas, cariocas, mineiras e capixabas vão ter que se cuidar com muita atenção, pois ventos fortes e chuvas intensas, intercaladas com a passagem de frentes frias, sob a ação de massa de ar quente vão judiar do cabelo neste verão, e principalmente para quem tem cabelo muito comprido ou quimicamente afetado por descolorações, colorações ou processos de alisamento e remodelagem capilar.

Somente a região do leste e centro oeste mineiro vai ter o privilégio de mais dias ensolarados e sem tanta umidade no ar.

O que fazer: Na rotina diária das mulheres do sudeste é importante cuidar da reestruturação do fio de cabelo, evitando áreas danificadas, que podem aumentar a probabilidade de formação de pontes de hidrogênio na queratina, causando o frisado.

Verão nas cabeleiras nordestinas

Ao contrário do que ocorreu nos últimos anos, haverá mais chuva nos estados da Bahia, Alagoas, Pernambuco, Rio Grande do Norte, Ceará, Maranhão e Piauí. As temperaturas serão bem elevadas e em muitos dias podem ultrapassar a faixa dos 35°C. A alta umidade do ar somada ao calor excessivo vai danificar muito os cabelos de quem vive nestas regiões, causando desidratação, descoloração e muito arrepiado.

O que fazer: Para o dia a dia da nordestina, onde a exposição à radiação solar é constante, é importante aplicar um finalizador enriquecido com lipídeos emolientes para formar uma rede que mantenha os cabelos macios e hidratados. Fluidos bem voláteis, enriquecidos com óleo de coco grau de cosmético doam textura suave e sensorial leve, além de proporcionar um alto poder de umectação aos fios. Onde encontrar: Óleo Umectante Amend Coco.

Para os dias de exposição continuada ao sol, com muita praia e piscina, é fundamental buscar uma fórmula finalizadora contendo extratos vegetais hidratantes, como babosa (Aloe Barbadensis) e camomila (Chamomilla Recutita Flower), combinados com manteiga de karité (Butyrospermum Parkii) e filtro solar químico (Ethylhexyl Methoxycinnamate). Esse complexo ativo rebate os perigos da radiação solar UV e infra vermelho de maneira intensiva, evitando o ressecamento e a desidratação. Onde encontrar: Leave- in Anti Danos Solar Defense Amend.

O calor do verão nos cabelos das sulistas

La Niña vai trazer chuvas irregulares e mal distribuídas para quem mora no Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul. Pode chover intensamente e até acontecer o granizo em alguns lugares, enquanto que em outros haverá mais dias sem chuva e o céu ficará aberto. A região sul será a de menor presença das chuvas e aumento da temperatura em relação aos anos anteriores, portanto os cabelos deverão sofrer menos com frizz e mais com a ação oxidativa e descolorante da radiação solar.

Um calor diferente para os cabelos no verão do Centro-Oeste

Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e Distrito Federal vão sofrer a influência da umidade vinda da região amazônica e terão pancadas de chuvas fortes, com muitos ventos, raios e até granizo. A temperatura média deverá ser ligeiramente inferior a dos anos anteriores, portanto o que vai afetar as cabeleiras destas mulheres será a grande umidade presente no ar. Controlar o arrepiado será a ordem do dia, principalmente para quem tem cabelos coloridos e remodelados artificialmente.

Norte, o quente e muito úmido do verão de lá

O clima equatorial que domina a região que vai de Roraima, Tocantins, Amapá, Acre, Pará e Amazonas mantém a umidade e temperatura altos durante o verão, pois é a estação das chuvas por lá. A presença do fenômeno La Niña vai afetar tremendamente esta região do país, favorecendo a ocorrência de máximas de precipitação de chuvas, principalmente no Pará e Tocantins, mais ainda em fevereiro e março, enquanto Roraima deverá enfrentar um período mais seco e quente. No norte do país, os grandes volumes de chuva são acumulados e os dias ficam nublados na grande parte desta estação do ano, trazendo os maiores volumes de tempestades que acontecem no nosso país. Muita umidade e muito calor causarão desidratação e frizz aos cabelos das nortistas, favorecendo o aspecto de fios ao mesmo tempo grudados e eriçados.

Fonte: Folha Geral

Agradecemos a leitura, compartilhe!

Home

Categorias

Nossos Portais

Nossos canais

Parceiros