Visit Us On TwitterVisit Us On FacebookVisit Us On LinkedinVisit Us On Instagram
Cosmetic InnovationCiência e TecnologiaMedicamento para prevenir rejeição de órgãos transplantados pode retardar o envelhecimento da pele

Medicamento para prevenir rejeição de órgãos transplantados pode retardar o envelhecimento da pele

  • Written by:

Uso tópico da rapamicina aumentou produção de colágeno e reduziu proteína ligada ao envelhecimento

A busca pela juventude normalmente se refere a loções, suplementos, soros e dietas, mas em breve poderá haver uma nova opção para se juntar à briga. A rapamicina, um medicamento aprovado pela FDA, normalmente usado para prevenir a rejeição de órgãos após a cirurgia de transplante, também pode retardar o envelhecimento da pele humana, de acordo com um estudo realizado por pesquisadores da Drexel University College of Medicine, publicado em Geroscience .

Estudos científicos básicos já usaram a droga para retardar o envelhecimento em camundongos, moscas e vermes, mas o estudo atual é o primeiro a mostrar um efeito sobre o envelhecimento no tecido humano, especificamente na pele – na qual os sinais de envelhecimento foram reduzidos. As alterações incluem diminuição de rugas, flacidez reduzida e tom de pele mais uniforme – quando administrados topicamente aos seres humanos.

“À medida que os pesquisadores continuam buscando a indescritível ‘fonte da juventude’ e maneiras de viver mais, estamos vendo um potencial crescente para o uso dessa droga”, disse o autor sênior Christian Sell, PhD, professor associado de Bioquímica e Biologia Molecular na Faculdade de Medicina. “Então, dissemos, vamos tentar a pele. É um organismo complexo com células imunes, nervosas, células-tronco – você pode aprender muito sobre a biologia de uma droga e o processo de envelhecimento observando a pele”.

No atual estudo liderado por Drexel, 13 participantes acima de 40 anos aplicaram creme de rapamicina em uma mão e um placebo na outra por oito meses. Os pesquisadores fizeram análises após dois, quatro, seis e oito meses, incluindo a realização de um exame de sangue e uma biópsia na marca de seis ou oito meses.

Após oito meses, a maioria das mãos de rapamicina mostrou aumentos na proteína de colágeno e níveis mais baixos estatisticamente significativos de proteína p16, um marcador importante do envelhecimento das células da pele. A pele com níveis mais baixos de p16 possui menos células senescentes, associadas a rugas da pele. Além dos efeitos cosméticos, níveis mais altos de p16 podem levar à atrofia dérmica, uma condição comum em idosos, associada a pele frágil que rasga facilmente, lenta cicatrização após cortes e aumento do risco de infecção ou complicações após uma lesão.

O alvo da rapamicina é uma proteína que atua como mediadora no metabolismo, crescimento e envelhecimento das células humanas. A capacidade da rapamicina de melhorar a saúde humana além da aparência externa é ainda mais esclarecida quando se olha mais profundamente a proteína p16, que é uma resposta ao estresse que as células humanas sofrem quando danificadas, mas também é uma maneira de prevenir o câncer. Quando as células têm uma mutação que de outra forma criaria um tumor, essa resposta ajuda a impedir o tumor, retardando o processo do ciclo celular.

Além de seu uso atual para prevenir a rejeição de órgãos, atualmente a rapamicina é prescrita (em doses mais altas do que as utilizadas no presente estudo) para a linfangioleiomiomatose, doença pulmonar rara, e como um medicamento anticâncer. O atual estudo Drexel mostra uma segunda vida do medicamento em doses baixas, incluindo novas aplicações para o estudo da rapamicina para aumentar a expectativa de vida humana ou melhorar o desempenho humano.

A rapamicina – descoberta pela primeira vez na década de 1970 em bactérias encontradas no solo da Ilha de Páscoa – também reduz o estresse na célula, atacando os radicais livres causadores de câncer nas mitocôndrias.

 

 

 

 

Fonte: Science Daily 25.11.19

Agradecemos a leitura, compartilhe!

Home

Categorias

Nossos Portais

Parceiros