Visit Us On TwitterVisit Us On FacebookVisit Us On LinkedinVisit Us On Instagram
Cosmetic InnovationDestaque Matérias EspeciasMercado brasileiro de HPPC volta a crescer

Mercado brasileiro de HPPC volta a crescer

  • Written by:
Produtos masculinos lideram alta nas vendas

Por Estela Mendonça

Depois de seguidas perdas, 6% em 2015 e 9% em 2016, o setor de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos (HPPC) sinalizou uma tímida recuperação em 2017 de 2,75%, atingindo US$ 14,5 bilhões, ex-factory (líquido de imposto sobre vendas), segundo estudo da Associação Brasileira da Indústria de Higiene Pessoal Perfumaria e Cosméticos (Abihpec).

Para o presidente-executivo da Abihpec, João Carlos Basílio, os resultados de 2017 não foram suficientes para neutralizar as perdas registradas: “Ainda que o viés de recuperação se confirme, acreditamos que temos um longo caminho pela frente até atingir um patamar positivo, como nos anos anteriores”.

Clique na imagem para ampliar.

Já segundo a empresa de pesquisas Euromonitor, que considera as vendas ao consumidor, a expansão do mercado brasileiro de HPPC em 2017 foi de 3,2% em relação ao ano anterior, totalizando US$ 32,1 bilhões.

Clique na imagem para ampliar.

QUARTO MAIOR MERCADO

O Brasil manteve em 2017 a quarta posição no ranking mundial de consumo de HPPC. Os maiores consumidores de cosméticos e produtos de higiene pessoal são os americanos, que movimentaram US$ 86 bilhões no ano passado. Em seguida, vem a China, com US$ 53,5 bilhões. O Japão ficou em terceiro lugar, com receita de US$ 36,1 bilhões.

LIDERANÇA REGIONAL

Na América Latina, que responde por 14,1% das vendas mundiais de HPPC, o Brasil é líder absoluto na região. Nos gastos per capita, entretanto, o Chile o ranking, com um gasto anual de US$ 182 dólares, seguido por Uruguai e Brasil, com US$ 170 e US$ 153 dólares por ano, respectivamente. México, Colômbia, Peru, Equador e Paraguai tiveram gastos anuais per capita com beleza abaixo de 90 dólares, menos da metade que o Chile.

CATEGORIAS QUE MAIS CRESCERAM

Desde 2012, os produtos masculinos vêm crescendo a uma média de 11,2% ao ano, atingindo US$ 6,2 bilhões em vendas em 2017, seguidas das fragrâncias e os produtos premium.

CATEGORIAS NO MERCADO MUNDIAL

No que se refere ao desempenho das categorias no mercado mundial, o destaque ficou por conta dos depilatórios, que caíram da segunda para a quinta posição e os produtos de higiene oral e produtos para cabelos, que subiram do quarto para o terceiro lugar no ranking.

MAIS DE 2700 PLAYERS

Segundo o estudo da Abihpec, o Brasil fechou 2017 com 2.718 empresas regularizadas na Anvisa, sendo 15 de grande porte, com faturamento líquido de impostos acima dos R$ 300 milhões, representando 75% do faturamento total do setor. A maior parte das empresas está localizada na região Sudeste (1.643), seguida do Sul (530).

MAIORES PLAYERS

Com 11,7% de participação, a Natura recuperou a primeira posição no ranking de players do setor, sendo que no ano passado, estava no segundo lugar, com 10,8%. A Unilever caiu para 11,1% do mercado, perdendo 1,5 ponto percentual em relação a 2016. O Grupo Boticário permaneceu em terceiro lugar com um ganho de 0,2 ponto percentual, para 10,8%, segundo a Euromonitor.

BALANÇA COMERCIAL

Em 2017, o déficit da balança comercial do Setor de HPPC foi de US$ 107 milhões. Segundo o estudo da Abihpec, em razão da valorização da moeda nacional em combinação com a melhora do mercado interno. Em relação ao ano anterior, a exportação e a importação de produtos registraram um crescimento de 4,5% (US$ 646 milhões) e 13,1% (US$ 753 milhões) respectivamente, com destaque para as importações de perfumaria que apresentaram uma alta de 68,3% (US$ 44 milhões). O Brasil exportou para 178 países e importou produtos de 76 países.

DE OLHOS NOS CANAIS 

As 26 redes de farmácias afiliadas à Associação Brasileira de Redes de Farmácias e Drogarias (Abrafarma) movimentaram R$ 44,41 bilhões em 2017, registrando crescimento de 8,96% em relação a 2016. As redes associadas representam 9,2% do total de 76 mil farmácias no Brasil, mas mais de 41% do faturamento do setor. Os itens de higiene pessoal e cosméticos contabilizaram R$ 14,17 bilhões e já representam 32% do volume total de vendas. “Foi-se o tempo das perfumarias de bairro. Hoje, as grandes redes de farmácias oferecem um mix variado de produtos em um único lugar, o que é sinônimo de conforto e conveniência para o consumidor. Elas vêm se tornando verdadeiras ‘lojas de saúde e beleza”, comentou Sergio Mena Barreto, presidente executivo da Abrafarma. 

EXÉRCITO DE EMPREENDEDORES

De acordo com a Associação Brasileira de Empresas de Vendas Diretas (ABEVD), em 2017, foram comercializados mais de 1,9 bilhão de itens (produtos e serviços) por venda direta no Brasil, que geraram um volume de negócios de R$ 45,2 bilhões. Os cosméticos representaram 54,7% das vendas.

A força de vendas é formada por 4,1 milhões de empreendedores, que atuam como revendedores diretos das empresas ou em modelo de marketing multinível ou mononível. As mulheres representam 56,7% desse exército.

E-COMMERCE

De acordo com a Ebit, em 2017, o faturamento do comércio eletrônico foi de R$ 47,7 bilhões. O número representa um crescimento nominal de 7,5% em relação a 2016, quando foram registrados R$ 44,4 bilhões. Mais de 55 milhões de consumidores fizeram pelo menos uma compra virtual no ano passado. Um aumento de 15% em relação a 2016.

Entre os destaques do ano passado estão o aumento das vendas através dos dispositivos móveis e a gratuidade no frete. A categoria Saúde, Cosméticos e Perfumaria ficou em segundo lugar em número de pedidos, com uma participação 12%. Moda e Acessórios manteve a liderança, com 14,2% de share.

FRANCHISING

O setor de franquias cresceu 8% em 2017 na comparação com o ano anterior, saltando de R$ 151,2 bilhões para cerca de R$ 163 bilhões, segundo balanço da Associação Brasileira de Franchising (ABF). De acordo com a entidade, o destaque foi o crescimento da participação do segmento de Saúde, Beleza e Bem-Estar (de 12% para 16%), que também liderou o crescimento em faturamento, com alta de 12,1%, totalizando R$ 30 bilhões. “Este segmento vem apresentando desempenhos consistentes nos últimos trimestres e se mostrou aqui presente também, tanto com a manutenção da líder do setor, quanto pelo ingresso de duas novas redes deste segmento no grupo das maiores”, disse o presidente da ABF, Altino Cristofoletti Junior, por ocasião da divulgação do relatório.

Clique na imagem para ampliar.

SHOPPING CENTERS

Levantamento realizado pela Associação Brasileira de Shopping Centers (Abrasce), em parceria com a GEU (Grupo de Estudos Urbanos), o faturamento do setor cresceu 6,2%, atingindo R$ 167,7 bilhões em 2017. Os 571 shoppings brasileiros, com mais 102,3 mil lojas, receberam cerca de 463 milhões de visitas por mês em 2017, o que representa um aumento de 5,6% em relação ao ano de 2016.

Agradecemos a leitura, compartilhe!

Home

Categorias

Nossos Portais

Nossos canais

Parceiros