Visit Us On TwitterVisit Us On FacebookVisit Us On LinkedinVisit Us On Instagram
Cosmetic InnovationEmpresas & NegóciosPapel higiênico Charmin, da P&G, sofre pressão de ambientalistas

Papel higiênico Charmin, da P&G, sofre pressão de ambientalistas

  • Written by:

Mais de 150 grupos estão pressionando o fabricante de papel higiênico Charmin e toalhas de papel Bounty a usar materiais reciclados em seus produtos. Atualmente, nenhum desses produtos utiliza papel reciclado, e cerca de um terço é proveniente da floresta boreal do Canadá – uma grande faixa de floresta virgem que circunda o Círculo Polar.

“É inaceitável que uma empresa como a P&G esteja fabricando papel higiênico, um produto que é usado por segundos e liberado com celulose virgem”, disse Shelley Vinyard, gerente de campanha do Conselho de Defesa dos Recursos Naturais (NRDC), durante a manifestação do lado de fora de onde era realizada a reunião anual de acionistas, em Cincinnati, Ohio, na terça-feira (8).

“Você já tentou papel higiênico reciclado?” uma porta-voz da P&G perguntou à CBS MoneyWatch, que também apontou o Charmin como um produto superior. “Eu prometo que você vai gostar muito mais”, disse ela.

A P&G é uma das maiores empresas de produtos de consumo do mundo, com receita anual de US$ 67 bilhões e valor de mercado de ações de US $305 bilhões.

O papel higiênico feito de fibras recicladas não tem as mesmas qualidades, fazendo com que as pessoas usem o feito com matéria-prima diretamente das árvores, acrescentou a porta-voz.

P&G afirma obter seu papel de florestas bem manejadas, o que, na visão da empresa, é um curso de ação mais responsável do que o uso de produtos reciclados. Hoje, cerca de 40% de sua linha de produtos vem de florestas certificadas pelo Forest Stewardship Council, um grupo de conservação sem fins lucrativos, de acordo com a empresa e o FSC.

36 bilhões de rolos de papel higiênico por ano

“Pessoalmente, compro papel higiênico reciclado porque podemos e é bom para a Terra”, disse Andrew Musgrave, diretor de Ação Social Católica da Arquidiocese de Cincinnati e um dos 150 signatários da carta enviada à P&G.

Musgrave disse que aprendeu sobre a questão do desmatamento de papel higiênico há relativamente pouco tempo, através de um membro da congregação, e que isso se encaixava perfeitamente nos ensinamentos da igreja sobre a preservação do meio ambiente. “Acreditamos na dignidade da vida, e parte disso é ter um lugar para morar”, disse ele.

Ele acrescentou que a P&G de Cincinnati tinha um histórico de “apoiar o trabalho e a justiça social na comunidade” e acreditava que era possível mudar para um produto de papel reciclado sem reduzir a qualidade. “Francamente, existem muitas empresas diferentes que adotaram o papel reciclado, e tenho dificuldade em imaginar que elas o teriam feito se não fosse economicamente sustentável”, disse Musgrave.

Fazer papel de forma sustentável não significa necessariamente usar 100% de conteúdo reciclado, disse Stephen Donofrio, diretor da iniciativa Ecosystem Marketplace da Forest Trends, organização sem fins lucrativos. “Pode ser potencialmente uma mistura. Pode ser certificado e reciclado em uma única fonte”.

A madeira tem uma forte presença na maioria dos banheiros dos EUA – os americanos usam mais papel de seda do que qualquer outro país, exceto a China, que tem mais de quatro vezes sua população. Isso chega a 36 bilhões de rolos por ano, de acordo com uma análise da Scientific American. As três principais empresas da chamada indústria de tissue – P&G, Kimberly-Clark e Georgia-Pacific – dependem quase exclusivamente de celulose virgem para seus produtos.

Na semana passada, a P&G prometeu aumentar a porção de fibra certificada pelo FSC em seus produtos para 75% dos atuais 40% dentro de seis anos e proteger melhor o habitat dos caribu na floresta canadense, onde obtém grande parte de sua polpa. A certificação do FSC limita o desmatamento da floresta e garante o replantio das árvores na mesma proporção em que são colhidas.

No entanto, mesmo a colheita de uma floresta manejada de forma sustentável tem um custo ambiental, quando comparada com deixar as árvores sem cortes em primeiro lugar.

“A pergunta que devemos fazer é se esses produtos são provenientes de florestas primárias virgens, que são ricas em biodiversidade, sistemas alimentares e outros ecossistemas”, disse Donofrio. “É essa infraestrutura natural que estamos tentando evitar se perder. Quando as empresas fazem essas promessas de obter fontes sustentáveis ​​ou usar conteúdo reciclado, esse é o problema que estão resolvendo”.

 

 

 

Fonte: CBS News 09.10.19

Agradecemos a leitura, compartilhe!

Home

Categorias

Nossos Portais

Nossos canais

Parceiros