Visit Us On TwitterVisit Us On FacebookVisit Us On LinkedinVisit Us On Instagram
Cosmetic InnovationDestaque Matérias EspeciasProteção solar à brasileira

Proteção solar à brasileira

  • Written by:

Sensorial é o diferencial da vez nos claims dos lançamentos

Por Estela Mendonça

Há tendências que pegam e as que não pegam em terras brasileiras, mas quando o assunto é proteção solar, uma coisa é certa: brasileiro não gosta que o produto “pegue” na pele. Texturas pegajosas e difíceis de espalhar estão no topo da black list dos consumidores por aqui. Este talvez seja um dos grandes desafios para formuladores no desenvolvimento de produtos para segundo maior mercado de proteção solar do planeta.

De acordo com a Euromonitor, o mercado brasileiro de proteção solar fechou 2017 com crescimento de 2,7%, totalizando R$ 3,4 bilhões, mantendo a segunda posição no ranking mundial, atrás somente dos Estados Unidos. A previsão é que as vendas atinjam R$ 4,1 bilhões em 2022. A Johnson & Johnson permaneceu na liderança no país, com uma participação em valor de 34% em 2017.

Grande parte do bom desempenho das vendas de produtos de proteção solar se deve à geografia: quase todo o território brasileiro (92%) localiza-se entre o Equador e o Trópico de Capricórnio e, com a inclinação maior da Terra em relação ao Sol para o sul, o Brasil é um dos países com maior extensão em proximidade com o Sol e o brasileiro é um dos povos com maior exposição solar anual.

Brasileiro ama o sol

As preocupações com a exposição solar no país, na análise da Euromonitor, decorrem do fato de os brasileiros gostarem de se bronzear e também de a praia ser um destino de férias comum para muitos deles, já que os efeitos relacionados à superexposição ao sol são imediatos, como vermelhidão, irritação e ressecamento. A intensa comunicação sobre os efeitos negativos da alta exposição solar também contribuiu para aumentar a conscientização entre os brasileiros.

Os preços por unidade subiram 9%, devido ao bom desempenho dos produtos para o rosto que, segundo a Euromonitor, que continuarão sendo um dos principais impulsionadores do crescimento no Brasil. A proteção solar para o rosto também foi positivamente afetada pela promoção constante em meios de comunicação sobre os benefícios do uso regular em longo prazo.  “Apesar de não ter uma rotina completa de cuidados com a pele do rosto, o uso da proteção solar para o rosto é visto por muitos como o principal produto a ser usado para prevenir linhas, rugas e manchas”, diz o relatório.

Apesar da desaceleração econômica, as marcas premium registraram taxas mais positivas, crescimento que não foi acompanhado pelas marcas de massa. “Esse sucesso foi impulsionado por um portfólio de produtos mais assertivo com a introdução contínua de produtos mais adequados à pele brasileira”. A política de preços também contribuiu para o sucesso do segmento premium, que praticou preços que não foram muito superiores se comparados com outras marcas disponíveis nos mesmos canais.

Para a Euromonitor, um número crescente de empresas está introduzindo produtos que se enquadram em uma classificação premium, dado o potencial que o segmento mostrou. “No entanto, à medida que um número maior de produtos é introduzido, as chances de lançar algo que outras marcas não oferecem são minimizadas, representando desafios extras para os recém-chegados criarem uma proposta de valor muito diferenciada para os consumidores finais”.

Necessidades locais

Nesse cenário, muitas marcas continuaram lançando novos produtos, incluindo fórmulas específicas para o tipo de cuidado da pele brasileiro, priorizando as mais leves para pele oleosa, com efeito mate. “À medida que um número crescente de consumidores locais incorpora a proteção solar em suas rotinas diárias, espera-se que as vendas continuem crescendo fortemente. Fórmulas criadas para atender as necessidades locais devem continuar a ter um desempenho melhor do que produtos mais genéricos”, aposta a Euromonitor.

Seminário Sun Care Gateffossé

É justamente a tarefa de criar produtos de proteção solar que atendam as necessidades do consumidor brasileiro que vem desafiando fabricantes e fornecedores de matérias primas. Por isso, surgem muitas iniciativas na busca por soluções, como a realização do Seminário Sun Care Gateffossé, realizado pela empresa em parceria com a MCassab, no dia 14 de junho em São Paulo, que reuniu dezenas de profissionais de P&D dos fabricantes. O evento contou com a participação do farmacêutico-bioquímico Jadir Nunes, mestre pela USP, com vasta bagagem na liderança do desenvolvimento de cosméticos em grandes companhias do setor e vice-presidente da Associação Brasileira de Cosmetologia.

Nanopartículas “absolvidas”

Jadir Nunes

Nunes, que apresentou os aspectos técnicos da produção de produtos para proteção solar no Brasil, especialmente as questões regulatórias, tanto no Brasil como nos Estados Unidos e na Europa, além das novidades em testes de eficácia e em claims, falou também das novidades do Sunscreen Summit, evento realizado em março pelo Centro Australiano de Pesquisas sobre Câncer de Pele (ASSC). “Um trabalho que me chamou a atenção foi o que estudou a segurança de uso de filtros solares nano particulados, especificamente o óxido de zinco, com resultados favoráveis a sua utilização”, diz. A pesquisa do Prof. Dr. Brian Gulson, da Macquarie University, de Sydney, Austrália, mostrou que a maior parte do óxido de zinco aplicado sobre a pele (Zn68) foi eliminado pela urina, não sendo absorvido pelo organismo, afastando a preocupação com efeitos colaterais de se utilizar oxido de zinco em nanopartículas.

Outros trabalhos destacados por Nunes foram os que comprovaram que os pigmentos à base de óxidos de ferro, muito utilizados em maquiagens e produtos solares multifuncionais, conferem proteção contra as radiações da luz visível, especialmente do espectro violeta e azul. “A importância do uso de filtros solares em linhas de produtos de cosméticos em geral continua sendo muito estudada. Então, creio que esta tendência continua sendo levada muito em conta hoje nos laboratórios que desenvolvem produtos deste segmento”, destaca.

“Hoje, os desenvolvedores devem considerar não somente a proteção solar propriamente dita, que se referem mais as radiações no espectro UVB e UVA, mas sim também demais relacionadas aos espectros da luz visível. A tendência é a proteção contra também o uso de equipamentos eletrônicos, como computadores, smartphones, tablets e outros. São chamadas das radiações “indoor”, que recebemos nas nossas casas e nos escritórios onde trabalhamos. Então, a dica é desenvolver linhas de produtos indoor e outdoor para quem faz prática de esportes e outras atividades durante o dia e se expõe ao sol”, recomenda.

Em sua apresentação, Nunes também ressaltou a importância da formação de um filme coerente e homogêneo, com todos os filtros bem distribuídos nele. “Facilitar a espalhabilidade, promovendo um filme homogêneo é mandatário”, alertou. Segundo ele, garantir uma formulação fácil de espalhar e agradável para o consumidor é uma questão que deve bem considerada, uma vez que muitos testes mostram que o fator de proteção pode despencar se o produto não for aplicado corretamente.


Desenvolvimento em proteção solar: dicas do especialista Jadir Nunes

– A listagem de filtros solares aprovados hoje no Brasil é suficiente para obtermos altos níveis de proteção solar – UVA e UVB.

– Quanto aos testes, o foco ainda está nos relacionados a UVB, UVA e resistência a água. Outros temas, como luz visível e irradiação infravermelha, ainda não entraram na agenda da ISO e ainda deverá levar alguns anos para termos uma harmonização global.

– Novos ingredientes têm sido lançados para utilização em sun care visando conferir ao produto uma textura elegante e um sensorial extraordinário, principalmente naqueles que precisam de resistência à água ou que tenham que atender nichos específicos.

– Multifuncionalidade ao produto continua como tendência neste segmento, visando atrair cada vez mais consumidores, principalmente aqueles que buscam praticidade, agilidade.

– Devemos motivar o consumidor ao uso diário, a uma rotina diária, visando prevenir dos danos causados pela radiação solar, principalmente o câncer de pele.


Mudança de foco

Amanda Pimentel

Amanda Pimentel, gerente de negócios para as Américas Central e Sul da Gatefossé, concorda que os protetores solares têm uma reputação duvidosa em termos de aparência: pele esbranquiçada, aspecto gorduroso e nada agradável. “Por anos, o foco esteve na eficácia, com fraca adesão por parte dos consumidores”.

Embora o FPS ainda seja um importante influenciador de compra para os protetores solares, seguido de formulações com resistência a água, entre os fatores que influenciam a compra, Amanda destaca que 15% dos consumidores, segundo pesquisa da Mintel, são influenciados por uma fórmula de absorção rápida ao escolher um produto de proteção solar em detrimento de outro.

“O claim ‘dermatologicamente testado’ está bem estabelecido no mercado latino-americano de cuidados com o sol, mas há espaço para mais desenvolvimentos com claims ‘pele sensível’ e ‘anti-aging’, bem como para uma grande variedade de disponível de texturas”, aposta a executiva, citando as geleias, flans, mousses, manteigas, águas, séruns essências, elixires e cushions, além compactos, sitcks e sólidos. Amanda também acredita no crescimento dos claims naturais.

Pioneira na análise sensorial

A Gattefossé, expert em análise sensorial desde 1996, quando foi pioneira na criação de um painel interno de especialistas em análise sensorial, criou em 2014 um time dedicado a formulações solares em seu laboratório de aplicação em Saint Priest, na França. “Lá, desenvolvemos novos estudos a respeito das influências dos climas e temperaturas na percepção de protetores solares, além de trabalhos técnicos com dicas e sugestões de inúmeras fórmulas criadas e testadas in vivo em diferentes formas galênicas e FPS para diversos países e legislações”.

Entre os grandes desenvolvimentos este mercado, Amanda destaca o Emulium® Mellifera. “Reconhecendo a necessidade de ingredientes flexíveis que atendam às expectativas dos consumidores em todo o mundo, a Gattefossé desenvolveu um emulsionante sensorial inovador: o Emulium® Mellifera. Ele foi desenvolvido a partir de ingredientes naturais, as ceras de abelha e de jojoba, usando química verde. Em condições climáticas frias ou secas, ele cria uma película suave e confortável de proteção na pele. Já em condições de calor e alta umidade, ele estabiliza as propriedades sensoriais, deixando um leve filme residual sobre a pele isento de sensação gordurosa e ideal para o clima tropical”.

“Recentemente demonstramos que o filme criado por esse ingrediente revolucionário, PEG-free e 100% de origem natural, é capaz de criar um escudo respirável antipoluição”, afirma Amanda, explicando a tripla ação antipoluição: primeiro, o filme criado na pele previne que grande parte das sujidades e partículas fique aderida na epiderme; segundo, o filme também aprisiona o poluente e previne a penetração; e terceiro, esses poluentes são eliminados com o filme durante a remoção da maquiagem ou limpeza facial.

“Esse emulsionante também promove hidratação prolongada à pele, além de ser altamente suavizante e recomendado para peles reativas”, destaca Amanda, reforçando que o Emulium® Mellifera caracteriza-se por um filme residual extremamente leve, suave e imperceptível, ideal para formulações desenvolvidas no Brasil.

Virtudes comprovadas

Larissa Reischl, responsável pelo marketing e suporte técnico da Gattefossé, explica que todas as virtudes e diferenciais do novo emulsionante, que tem certificação Ecocert, Cosmos e NPA, foram amplamente testados. “Podemos afirmar que Emulium® Mellifera é autoadaptável a climas e estações, apresenta prazer imediato e prolongado a todos os tipos de pele, melhora significativamente a hidratação da pele com um efeito imediato e duradouro, melhora na aparência da pele, tem efeito suavizante na pele sensível e tem tripla ação antipoluição”.

Para Amanda, melhorar a percepção da aplicação dos protetores solares, transformando a necessidade de proteção em um momento agradável durante aplicação é um grande passo para estimular o uso diário: “Precisamos fazer com que os protetores sejam usados com frequência e façam parte da rotina de beleza de consumidores de todo o mundo”.

Olay Renerist Whip Face Moisturizer SPF 25: hidratante inovador, com tecnologia Active Rush, transforma-se de creme em líquido em contato com a pele e absorção flash

Unseen Sunscreen Broad Spcetrum SPF 40: protetor solar diário totalmente invisível e leve, que fixa a maquiagem ao mesmo tempo que proporciona uma proteção de amplo espectro

Biossance Squalane + Mineral SPF 45: protetor solar mineral com efeito primer de maquiagem

UV Water SPF 20 With Aloe Vera Water Garnier: primeira água de proteção solar, com textura leve e refrescante como água

Supergoop! Defense Refresh Setting Mist whit Rosemary SPF 50: spray que protege, mantém a maquiagem e ajuda a controlar a oleosidade e o brilho da pele

Urban Decay – Naked Skin One & Done SPF 20 – Hybrid Foundation: um creme híbrido que camufla instantaneamente e completamente as imperfeições e uniformiza o tom da pele naturalmente

Agradecemos a leitura, compartilhe!

Home

Categorias

Nossos Portais

Nossos canais

Parceiros