Visit Us On TwitterVisit Us On FacebookVisit Us On LinkedinVisit Us On Instagram
Cosmetic InnovationDestaque Empresas & Negócios InternacionalUnilever, Henkel e fundos de investimentos fazem ofertas para marcas de beleza de US$ 7 bilhões da Coty

Unilever, Henkel e fundos de investimentos fazem ofertas para marcas de beleza de US$ 7 bilhões da Coty

  • Written by:

As gigantes de bens de consumo Unilever e Henkel e fundos de investimentos, inclusive o Advent e a Cinven, estão fazendo propostas para algumas das principais marcas de beleza da Coty, em um negócio de até US $ 7 bilhões. A Colgate-Palmolive também quer participar da disputa, que se concentra em produtos profissionais para cabelos e unhas, incluindo as marcas Wella, Clairol, GHD e OPI.

A Coty, que tem um valor de mercado de US $ 9 bilhões e é de propriedade majoritária do conglomerado alemão JAB Holdings, deve iniciar um processo de leilão em dezembro, segundo fontes sigilosas.

O acordo tem como alvo tanto os gigantes do setor quanto os fundos de private equity pelo potencial de retorno das marcas cujas vendas estão em trajetória descendente nos últimos quatro trimestres.

Se for bem-sucedido, a Henkel – cuja marca Schwarzkopf a torna a quinta maior empresa do mundo em cuidados com os cabelos – passaria para o terceiro lugar nas tabelas mundiais da liga da indústria.

A Unilever é a oitava maior produtora de produtos para cabeleireiros do mundo, de acordo com a Euromonitor, e tem uma abordagem mais cautelosa nas negociações, afirmou uma das fontes, acrescentando que pode decidir licitar apenas partes do portfólio da Coty para aumentar sua presença em segmentos específicos.

A Colgate-Palmolive, sediada em Nova York, comprou recentemente a unidade para tratamento de pele da Laboratoires Filorga Cosmétiques da França por 1,5 bilhão de euros (US $ 1,66 bilhão) e pretende continuar usando acordos adicionais para diversificar sua oferta, disseram as fontes.

A lista de investidores de private equity que disputam as marcas da Coty inclui Advent, Cinven, Blackstone, KKR, CVC Capital Partners e BC Partners.

Mas alguns fundos, incluindo a Cinven, estão procurando um parceiro para fazer uma oferta conjunta como parte de um consórcio de investimentos, disse uma das fontes.

Coty, Henkel, Colgate-Palmolive, Cinven, Advent, CVC e BC Partners se recusaram a comentar, enquanto a Unilever, Blackstone e KKR não estavam imediatamente disponíveis para comentar.

A Coty pretende concluir a venda, anunciada no mês passado, em meados de 2020, e contratou o Credit Suisse para cuidar das discussões com possíveis concorrentes.

Os pacotes de informações confidenciais devem ser enviados em dezembro, com o objetivo de receber ofertas não vinculativas no início do próximo ano, disseram as fontes.

Os banqueiros que aconselham os possíveis compradores estimam que o portfólio pode atingir de 10 a 12 vezes seu lucro atual, de cerca de US $ 600 milhões, dando uma avaliação entre US $ 6 a US $ 7 bilhões.

As ações da Coty subiram 1,3% depois que a Reuters informou pela primeira vez sobre a negociação, em 21 de novembro. As ações da Unilever subiram 0,6% nas negociações da manhã de sexta-feira, enquanto as ações da Henkel caíram 0,3%.

MUDANÇA NO JOGO

A unidade de beleza profissional da Coty, que vende principalmente produtos para cabelos e unhas a salões, representa cerca de 21% de sua receita total, com vendas anuais de cerca de US $ 1,81 bilhão.

Atualmente, o L’Oréal é a líder mundial em cuidados profissionais com os cabelos, seguida pela John Paul Mitchell Systems e depois pela Coty, segundo a Euromonitor.

Para a Henkel, o acordo seria um divisor de águas, pois abriria uma sinergia substancial com sua popular marca Schwarzkopf, disseram analistas.

“É muito natural que a Henkel olhe para esse acordo”, disse Martin Deboo, analista da Jefferies, acrescentando que a empresa alemã tentou comprar a Wella duas vezes antes.

A Henkel vem acumulando marcas de nicho, incluindo a DevaCurl, marca de produtos premium para cabelos encaracolados, para impulsionar as vendas de seus negócios de beleza.

A Coty disse em outubro que também estava explorando opções para sua unidade brasileira, que opera como um negócio independente, com um portfólio distinto de produtos de beleza e cuidados pessoais.

A empresa, cuja dívida era de US $ 7,7 bilhões no final de junho, possui outras marcas de cosméticos como Rimmel e Max Factor, além das empresas de cuidados com a pele como Lancaster e Philosophy. Mas há anos luta para integrar uma gama tão ampla de produtos.

Sua compra, em 2016, de uma fatia do negócio de beleza da Procter & Gamble, que incluía as marcas Covergirl e Max Factor, obrigou-a a levar bilhões de dólares em reduções e forçou um plano de reestruturação de quatro anos.

 

 

 

 

 

Fonte: Reuters 21.11.19

Agradecemos a leitura, compartilhe!

Home

Categorias

Nossos Portais

Parceiros